Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BCE céptico sobre adiamento de metas de défice na Europa

O presidente do BCE não deixou passar em branco a decisão europeia de avançar com a flexibilização das metas de défice em vários países. Tal deveria ser um acontecimento excepcional e sujeito a condicionalidade, defende.

Rui Peres Jorge rpjorge@negocios.pt 06 de Junho de 2013 às 15:14
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...

O BCE considera que o adiamento de metas de défice na Europa deveria acontecer apenas em situações excepcionais e obrigando os países visados a adoptar reformas estruturais. “É muito importante que as decisões do Conselho Europeu de estender o período temporal para corrigir os défices orçamentais excessivos permaneçam reservadas para circunstâncias excepcionais”, afirmou esta quinta-feira Mario Draghi na habitual conferência de imprensa mensal em Frankfurt.

 

Na semana passada a Comissão Europeia recomendou que o Conselho Europeu flexibilize as datas limite para a correcção dos défices excessivos para seis países, um deles Portugal. Os outros visados foram Espanha, França, Holanda, Polónia e Eslovénia.

 

Na primeira reunião após a decisão da Comissão, o BCE tornou claro que teme uma banalização da flexibilização das metas o que, diz Draghi, terá um preço a pagar nos mercados mais tarde ou mais cedo. “Se um país consegue um adiamento e passados um ou dois anos volta com um défice ou dívida superior” os mercados não vão gostar e “vão acabar por penalizar estes países”, defendeu.

 

E por isso reforçou: “as extensões devem ser concedidas em situações excepcionais e deveriam ser complementadas com o compromisso dos países de adoptar reformas estruturais”, afirmou Mario Draghi, lembrando que os países com problemas orçamentais enfrentam muitas vezes problemas de “falta de competitividade”, pelo que precisam de melhorar o seu potencial de crescimento.

 

O presidente do BCE completou o tema deixando um aviso aos Governos: “não estejam demasiado optimistas em relação às actuais condições de mercado”, pois estas poderão não durar para sempre. Especialmente se as reformas atrasarem.

Ver comentários
Saber mais BCE reformas estruturais défices Mario Draghi
Outras Notícias