Política Monetária Bullard: Fed vai debater novo corte de 0,5% nos juros em setembro

Bullard: Fed vai debater novo corte de 0,5% nos juros em setembro

O presidente da Reserva Federal de St. Louis defende mais cortes dos juros nos Estados Unidos para estimular a inflação e o crescimento económico. O responsável admite que o banco central deverá debater uma descida de 50 pontos base na reunião de 17 e 18 de setembro.
Bullard: Fed vai debater novo corte de 0,5% nos juros em setembro
Bloomberg
Rita Faria 23 de agosto de 2019 às 14:21

O presidente da Fed de St. Louis, James Bullard, avançou esta sexta-feira, 23 de agosto, que os membros do Comité Federal de Mercado Aberto (FOMC) da Reserva Federal vão debater a possibilidade de implementar um novo corte dos juros nos Estados Unidos em setembro, desta vez de 50 pontos base.

 

Em entrevista à Bloomberg, à margem do fórum de Jackson Hole, no Wyoming, o responsável garantiu ainda que o banco central norte-americano está disposto a tomar todas as medidas que forem necessárias para manter o crescimento económico.

 

"Penso que haverá um debate robusto sobre um corte de 50 pontos base", afirmou Bullard. É uma possibilidade que voltou gradualmente "para cima da mesa", admitiu o responsável acrescentando que "queremos continuar a expansão e estamos certamente dispostos a avançar com todas as ações que forem necessárias para continuar a expansão".

 

Para Bullard, a prossecução de uma política de juros mais expansionista é justificada pelos recentes sinais de recessão dados pelo mercado de obrigações, com o regresso da inversão da curva de rendimentos.

 

"A curva das yields está invertida. Não é uma coisa positiva", disse o responsável que é membro votante do FOMC à CNBC.

 

No final de julho, a Fed anunciou o primeiro corte de juros nos Estados Unidos em mais de dez anos, citando os "desenvolvimentos globais" e a "estagnação da inflação". Bullard acredita que mais descidas ajudariam a impulsionar o crescimento dos preços e a mitigar o impacto da desaceleração do crescimento global.

 

"Penso que podemos ser mais ‘dovish’ nesta altura, porque as expectativas de inflação são demasiado baixas e precisam de subir para um nível mais próximo da meta de 2% da Fed", concluiu.

 

As palavras de Bullard surgem antes do tão esperado discurso do presidente da Reserva Federal, Jerome Powell, em Jackson Hole, que poderá dar mais indicações sobre o rumo da política monetária nos Estados Unidos e eventualmente alguma pista sobre o que decidirá o banco central na reunião de setembro.

 

A expectativa cresceu esta semana, depois de ter sido conhecido, através das atas da última reunião do banco central, que a decisão de cortar os juros em 25 pontos base não foi consensual entre os membros da FOMC.




Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI