Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Draghi pressiona reformas no melhor momento da Zona Euro em sete anos

O presidente do BCE defende que a convergência dentro da Zona Euro depende crucialmente da implementação de reformas estruturais. A recuperação cíclica permitida pela política monetária de Frankfurt, cria "condições quase perfeitas" para os governos mostrarem mais ambição.

Bloomberg
Rui Peres Jorge rpjorge@negocios.pt 22 de Maio de 2015 às 11:12
  • Assine já 1€/1 mês
  • 7
  • ...

Num dos mais importantes discursos do ano de Mario Draghi, o de abertura da conferência internacional que ele próprio criou no ano passado, e que decorre em Sintra até sábado, a importância das reformas estruturais na Europa ocupou os cerca de 30 minutos da sua intervenção na manhã de sexta-feira, 22 de Maio. Para o presidente do BCE não há desculpas: o estímulo que o BCE está implementar necessita e incentiva a implementação de reformas pelos governos, preferencialmente de forma coordenada: "se todos os países reformarem em conjunto, então todos os países beneficiarão mais", defendeu.

 

"As perspectivas económicas da Zona Euro são hoje mais positivas do que nos últimos sete longos anos. A política monetária está a encontrar o seu caminho através da economia. O crescimento está a recuperar. E as expectativas de inflação recuperaram dos seus mínimos", afirmou Draghi, para acrescentar logo de seguida que "isto não é o fim dos nossos desafios", pois "a recuperação cíclica" não garante o desempenho de longo prazo necessário para baixar o excesso de dívida em alguns países, nem para baixar o desemprego estrutural. Para isso são necessárias reformas estruturais. E é isso que as actuais condições mais favoráveis da Europa ajudam e convocam, defende.

 

"O que a recuperação cíclica [em curso] garante são condições quase perfeitas para os governos se envolverem de forma mais sistemática nas reformas estruturais que funcionarão como âncora para o retorno ao crescimento. A política monetária pode tentar levar a economia de volta ao potencial. A reforma estrutural pode aumentar o seu potencial. E é a combinação destas políticas de procura e oferta que irão entregar prosperidade e estabilidade duradoura", afirmou o presidente do BCE, que não se poupou nem na defesa da importância das reformas estruturais, nem na caracterização da dimensão do desafio na Europa.

 

O crescimento potencial está em torno de 1% na Europa, metade do norte-americano, sublinhou. E com este nível de crescimento o futuro da Zona Euro parece negro: "isto significaria que uma parte importante das perdas económicas na crise se tornaria permanente, com um desemprego estrutural acima de 10% e desemprego jovem elevado. E também tornaria mais difícil lidar com o excesso de dívida em alguns países", avisou.

 

Para Draghi a solução para inverter este cenário está nas reformas estruturais e nos ganhos significativos que podem oferecer: "As reformas estruturais não são sobre criar eficiências menores ou ganhos marginais. São sobre libertar um potencial desaproveitado para um produto, emprego e bem-estar substancialmente maiores". Com as políticas correctas, o PIB per capita na Zona Euro poderia aumentar 11% numa década, defendeu com base num estudo da OCDE (os EUA beneficiam apenas de 5%). 

 

A importância da credibilidade

Para o sucesso da estratégia de reforma, o presidente do BCE sublinhou a importância da credibilidade das políticas - "depois de sete anos de crise marcados por várias falsas madrugadas, as empresas e as famílias tornaram-se mais hesitantes em assumir o risco económico" – para que empresas e famílias confiem num futuro melhor. Se assim for, então poderão começar já a adaptar o seu comportamento com mais investimento e consumo, o que aumentaria a eficácia da política monetária.

 

Entre as reformas que o presidente do BCE defendeu como importantes estão as que garantem flexibilidade na transferência de recursos para sectores mais produtivos, e também as que melhoram o funcionamento de sectores da economia que poderiam beneficiar de uma retoma mais forte da procura após a crise, como o caso dos serviços. Para Draghi, a flexibilidade laboral é também importante, nomeadamente como forma de permitir que ajustamentos salariais evitem perdas de empregos. Mas não é apenas a flexibilidade que está em causa acrescentou: apoios à procura de empregos, aposta na requalificação, incentivos à difusão de tecnologia são igualmente essenciais, e redução de burocracia são também essenciais.

 

A Europa tem de voltar a convergir

Num discurso em que em nenhum momento se referiu à importância do apoio da política orçamental aos estímulos monetários – um tema que referiu no passado e que foi destacado no dia anterior por Stanley Fischer, número dois da Reserva Federal – Mario Draghi coloca os holofotes nas reformas na Europa. Só elas garantirão a convergência de longo prazo dentro da união, condição essencial à sua sobrevivência, avisou.

 

"Como qualquer união política, a coesão da Zona Euro depende do facto de cada país estar permanentemente melhor dentro da união do que fora dela. A convergência é por isso essencial para manter a união, enquanto uma permanente divergência causada por uma heterogeneidade estrutural tem o efeito contrário", afirmou, defendendo que é por isso que o BCE tem pedido "uma 'governance' comum mais forte de reformas estruturais", explicou no II Fórum do BCE sobre Banca Central.

Ver comentários
Saber mais Mario Draghi Sintra Zona Euro BCE política banca
Outras Notícias