Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Grande maioria do Conselho do BCE apoiou subida de juros em outubro

Na opinião de uma grande maioria do BCE, o aumento de 75 pontos base foi um "passo necessário para um nível mais neutro".

Wolfgang Rattay/Reuters
Lusa 24 de Novembro de 2022 às 14:41
  • Partilhar artigo
  • ...
Uma grande maioria dos membros do Conselho do Banco Central Europeu (BCE) apoiou a subida das taxas de juro em 75 pontos base para 2% decidida na reunião de outubro.

A ata desta reunião, publicada esta quinta-feira, mostra que "alguns membros manifestaram preferência por aumentar as taxas de juro do BCE em 50 pontos base".

O Conselho do BCE concordou plenamente com a necessidade de aumentar ainda mais as taxas de juro, tendo as diferenças sido centradas na dimensão do aumento.

"Um aumento das taxas de juro do BCE em 75 pontos base foi apoiado por uma maioria muito ampla de membros" do Conselho, dizem as atas da reunião de 27 de outubro.

Consideraram que este aumento era adequado "tendo em conta o período prolongado de inflação excessivamente elevada" e que a política monetária ainda era expansionista.

Portanto, na opinião de uma grande maioria do BCE, o aumento de 75 pontos base foi um "passo necessário para um nível mais neutro".

Os poucos membros que eram favoráveis ao aumento das taxas de juro em 50 pontos base argumentaram que era necessária prudência no ritmo de aperto.

"Embora a direção da política monetária fosse clara, era necessária cautela quanto ao ritmo de aperto", dizem as atas.

"Um aumento de 50 pontos de base foi considerado suficiente para tornar a política monetária mais restritiva de forma gradual e ponderada, dado que a confiança do mercado é frágil, o risco de um abrandamento significativo da atividade económica estava a aumentar, e as condições financeiras já se tinham tornado significativamente mais restritivas", acrescenta o documento.

O Conselho do BCE concordou com a necessidade de aumentar ainda mais as taxas de juro nas próximas reuniões, tendo em conta os dados económicos.


Ver comentários
Outras Notícias