Política Monetária Yellen diz que inversão da curva das yields pode sinalizar que a Fed precisa de descer juros

Yellen diz que inversão da curva das yields pode sinalizar que a Fed precisa de descer juros

A antiga presidente da Reserva Federal não vê a inversão da curva de rendimentos dos títulos de dívida dos EUA como um sinal de recessão, mas sim como um sinal de que a Fed poderá ter de cortar os juros.
Rita Faria 25 de março de 2019 às 15:44

Janet Yellen, antiga presidente da Reserva Federal dos Estados Unidos, acredita que a recente inversão da curva de rendimentos no mercado de obrigações norte-americano poderá sinalizar a necessidade de uma descida dos juros nos Estados Unidos, mas não uma recessão.

"A minha resposta é não. Não vejo essa inversão como um sinal de recessão", afirmou Yellen, quando questionada sobre o tema, numa conferência em Hong Kong.

A responsável, que liderou a Fed entre 2014 e 2018, explicou que, ao contrário do que acontecia no passado, "há uma tendência, agora, para a curva de rendimentos ser bastante plana", o que torna mais provável a sua inversão ocasional, especialmente em alturas em que os investidores ficam mais preocupados com a possibilidade de uma recessão futura.

Em termos técnicos, a inversão da curva acontece quando os juros da dívida pública a três meses superam os juros das obrigações do Tesouro a dez anos – tendencialmente mais elevados, num cenário dito "normal", porque os investidores "cobram" mais para terem o seu dinheiro investido numa maturidade mais longa.

Essa inversão aconteceu na passada sexta-feira pela primeira vez desde 2007, e fez soar imediatamente os alarmes, já que este comportamento das yields é visto por muitos como um indicador de recessão. Foi esse o padrão nos últimos 40 anos: cada vez que se registou uma inversão da curva de rendimentos, os Estados Unidos entraram em recessão pouco tempo depois. As duas últimas ocorreram no final da década de 1990 e em 2008, o ano que marcou o início da última grande crise financeira.

Para Yellen, porém, não há motivos para alarme. A inversão da curva "pode sinalizar que a Fed terá de cortar os juros, em algum momento, mas certamente não sinaliza que este é um conjunto de desenvolvimentos que provocarão necessariamente uma recessão". A antiga presidente da Fed considera mesmo que uma recessão nos Estados Unidos não é um cenário "particularmente provável", ainda que reconheça que a economia está de facto a abrandar.

"Os Estados Unidos estão certamente a assistir a um abrandamento do crescimento", afirmou, citada pela CNBC.

A economia norte-americana cresceu 3,1% no ano passado, mas as estimativas mais recentes da Fed apontam para uma desaceleração da subida do PIB para 2,1% este ano, um ritmo que Yellen considera estar próximo do potencial. "Não é, portanto, uma situação perigosa", defendeu.

Janet Yellen iniciou o processo de normalização da política monetária nos Estados Unidos, em dezembro de 2015, com a primeira subida dos juros em quase uma década, num esforço da Fed para elevar a taxa de referência de forma progressiva até a um ponto que permitisse voltar a cortá-la no caso de uma eventual crise.  

O seu sucessor, Jerome Powell, prosseguiu esse caminho de subidas, mas na última reunião, na semana passada, carregou definitivamente no botão de pausa, sinalizando que não haverá mais aumentos este ano.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI