Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

A melhor solução é o PS assumir liderança da oposição, defende Assis

O socialista Francisco Assis voltou a defender que o PS deve ser responsável e tomar a posição de partido de oposição, alertando para as diferenças na esquerda e defendendo uma solução entre o Partido Socialista e a coligação.

Miguel Baltazar/Negócios
Liliana Borges LilianaBorges@negocios.pt 14 de Outubro de 2015 às 23:38
  • Assine já 1€/1 mês
  • 22
  • ...
"Uma solução governativa para Portugal passa pela coligação". Quem o defende é Francisco Assis, eurodeputado socialista, que acrescenta acreditar que esta é  "a melhor solução para o país e para o Partido Socialista". Depois de ter dito durante esta manhã de quarta-feira, 14 de Outubro que "a melhor solução para o PS e para o país era que o PS assumisse a liderança da oposição na Assembleia da República", Francisco Assis reiterou a sua posição durante o programa televisivo Grande Entrevista, na RTP3.

"A grande clivagem em Portugal situa-se à esquerda", afirmou o socialista, destacando que existem grandes diferenças entre os programas e as ideologias do PS, Bloco de Esquerda e Partido Comunista. "Olho para o PCP como um partido muito fechado e conservador", exemplificou, acrescentando mais tarde que "os partidos não deixam de ser quem são de um momento para o outro".

"Num momento em que a Europa enfrenta uma situação difícil, não é responsável fazer um Governo dessa natureza", disse o militante socialista.

Para Francisco Assis, que nos últimos dias tem criticado a posição do líder socialista, António Costa, "quem tem responsabilidade de criar condições de estabilidade é o Governo". Defendeu esta posição sem, no entanto, colocar em causa "a inteligência e a integridade" e as "capacidades extraordinárias" de Costa para o papel de primeiro-ministro. "O PS não pode ter um papel de obstrução por obstrução". O socialista "respeita" a determinação de Costa, mas "tem entendimentos bastante diversos", garantindo que "há muita gente no país que pensa como eu e que está a sofrer pressões". 

"Alguns acham que houve algum ziguezague no discurso do PS", comentou. Sobre a divisão entre os "seguristas" (apoiantes de António Seguro) e os apoiantes de Costa, Francisco Assis não escondeu que "há sempre algumas divergências que ficam", mas que todos apoiaram o secretário-geral do PS. 

O cabeça de lista pelo PS nas europeias de 2014 concordou com a ideia de um congresso depois das eleições presidenciais, adiando a discussão da mudança da liderança do partido, mas dizendo no entanto que não está no seu horizonte uma candidatura. "Só volto a ser candidato em circunstâncias execepcionais", garantiu.
E a propósito das presidenciais, Assis elogiou a candidata Maria de Belém, que apoia, não escondendo que "teria preferido que o partido [socialista] tivesse apoiado de outra forma Maria de Belém".
Ver comentários
Saber mais Portugal Francisco Assis Partido Socialista PS Assembleia da República Grande Entrevista Bloco de Esquerda Partido Comunista PCP Europa Governo António Costa Costa
Mais lidas
Outras Notícias