Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ângelo Correia: “Paulo Portas é um homem leal”

Portas é “brilhante” e “um homem leal”. Passos "um amigo” de há muitos anos. Seguro um líder transitório. Durão um líder que “manda pouco”. Marcelo Rebelo de Sousa “um belíssimo candidato a Presidente da República”. A opinião é de Ângelo Correia, em entrevista ao "Diário Económico".

47.º - Ângelo Correia
É chamado de empresário do regime. Os seus negócios são menos conhecidos que as suas opiniões.
Negócios 19 de Agosto de 2013 às 10:47
  • Assine já 1€/1 mês
  • 74
  • ...

Paulo Portas é “brilhante”, “um homem leal” e desde o início que devia ter sido o número dois do Governo. A opinião é de Ângelo Correia que, numa entrevista concedida ao “Diário Económico” esta segunda-feira, considera que a melhor forma de lidar com Portas é “tê-lo perto de nós”.

 

Ângelo Correia é padrinho político de Luís Filipe Menezes e de Pedro Passos Coelho, mas na entrevista que hoje concede ao Diário Económico, é a Paulo Portas a quem dedica os maiores elogios.

 

“Gosto muito do Paulo. Há muitos anos que sou amigo dele, acho-o brilhante. Mas a grande forma que nós temos de conseguir lidar com Paulo Portas é tê-lo ao perto de nós e ouvi-lo”. “Deixá-lo andar muito fora, andar encantado nos reinos do golfe, é preocupante”, prossegue.

 

Ângelo Correia considera que Pedro Passos Coelho saiu-se bem da recente crise política porque “foi o único que demonstrou uma característica fundamental na política: resiliência”.

 

A contabilidade e o peso político que o CDS assumiu nalgumas pastas após a remodelação não é questão que considere relevante. “Sabe que o poder final é sempre o do voto. E quem tem o voto é o primeiro-ministro”, sustenta. Paulo Portas ao ganhar poder, por seu turno, ganhou maior visibilidade, o que também lhe dá “maiores hipóteses de desgaste”.

 

O lugar de número dois no Governo já vem, aliás, tarde. “Quando há uma coligação política, em primeiro lugar estão sempre os políticos, depois estão os tecnocratas”, diz Ângelo correia, que considera um erro ter-se dado a Vitor Gaspar o segundo lugar de relevo no Executivo.

  

“Estou desencantado com o ciclo político português”

 

Definindo-se como “amigo” e não padrinho político de Pedro Passos Coelho, confirma que fala muitas vezes com o actual primeiro-ministro e que este, como “pessoa cordial e educada”, “ouve sempre”. Agora, “em que medida é que ele retém aquilo que lhe dizemos é uma situação que desconheço”, acrescenta Ângelo Correia.

 

Sobre Luís Filipe Menezes e Pedro Passos Coelho, diz que tentou ajudá-los e não conseguiu, o que ditou o seu irremediável afastamento da vida partidária activa. “Não consegui nessa altura [com Menezes] não consegui com Passos Coelho. Portanto, a minha vida politico-partidiária não tem razão de ser”.

 

Dizendo-se “desencantado com o ciclo político português”, Ângelo Correia considera que os partidos políticos “não pensam o suficiente”.

 

“A liderança do PS é fraca”

 

Acordos políticos com o PS é coisa que o empresário não vislumbra no curto e médio prazo, e por uma razão simples: “Ausência de liderança. A liderança do PS é fraca” e até o CDS e o PSD, com todas as fragilidades da coligação, conseguem apresentar maior solidez do que Seguro.

 

Ângelo Correia não vê António José Seguro como futuro primeiro-ministro porque “ele não quer ser líder definitivo. Um líder que se quer definitivo prepara-se, estuda”, mas Seguro passa pela política “surfando”.

 

Num país que durante muitos anos viveu de "demasiados mitos", a presença da troika é para durar. Durão Barroso em Bruxelas pouco pode fazer para alterar a relação de equilibrios na Europa, até porque "manda pouco", diz Ângelo Correia. "Quando foi escolhido para líder da Comissão Europeia, não foi por ser uma grande personalidade, mas por ser um denominador comum que podia manter o poder dos grandes".

 

Quando questionado sobre candidaturas presidenciais, Ângelo Correia considera que "o professor Marcelo Rebelo de Sousa vai ser um belíssimo candidato à Presidência da República. (...) Marcelo Rebelo de Sousa de um lado e António Guterres do outro. Se isso acontecer, Portugal está muito bem entregue".

Ver comentários
Saber mais Angelo Correia Governo crise troika PS Presidência da República entrevista
Outras Notícias