Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

António Costa diz que é preciso ter "a humildade de nos aproximarmos das políticas dos outros"

Depois de uma conversa de quase duas horas com Cavaco Silva, o líder socialista defendeu que é preciso ter "a humildade de nos aproximarmos das políticas dos outros". Costa disse que o PS tem trabalhado "naquilo que possa ser a plataforma de um Governo".

  • Assine já 1€/1 mês
  • 79
  • ...

O encontro entre António Costa e Cavaco Silva prolongou-se durante quase duas horas. Mas apesar de o secretário-geral socialista garantir que a conversa com o Presidente da República foi "muito importante e muito produtiva", não foram dadas pistas disso mesmo aos jornalistas presente no Palácio de Belém.

 

Depois de já se ter reunido com as delegações do PCP, da coligação PSD/CDS, com Os Verdes, com o BE e com o PAN, sendo que Costa apenas se referiu de forma algo negativa à forma como decorreu o encontro com Passos Coelho e Paulo Portas, o líder socialista diz agora que é preciso ter "a humildade de nos aproximarmos das políticas dos outros". De forma resumida, o antigo autarca lisboeta explicou que o objectivo das rondas negociais iniciadas pelo PS passa por encontrar "condições mínimas para viabilizar um Governo".

 

No que pareceu uma indirecta à suposta inflexibilidade dos partidos que formam a actual maioria governativa, António Costa acabou depois por revelar ter comunicado a Cavaco Silva os resultados do que tem sido o "trabalho naquilo que importa", ou seja, "naquilo que possa ser a plataforma de um Governo". Costa esclareceu ainda, por oposição, que "não temos estado a trabalhar nos programas de cada partido".

O líder socialista avançou também que no final desta semana espera ter chegado às necessárias conclusões para depois comunicar as mesmas aos órgãos socialistas e, na próxima semana, ao próprio Presidente. Costa pretende ter uma "posição consolidada" até ao final desta semana, garante.

António Costa explicou ter informado Cavaco Silva "dos contactos [estabelecidos] entre as diferentes forças políticas com representação na Assembleia da República", bem como daquilo que os socialistas têm previsto fazer até ao final desta semana e da avaliação preliminar que o líder socialista tem feito desses contactos.

 

Como tal, António Costa garante que tirar conclusões nesta altura seria prematuro, até porque "ainda estão marcadas conversas com diversas forças políticas e há trabalho para desenvolver pontos que vimos serem passíveis de convergências com as outras forças".

 

E já depois de ironizar quanto à sua impossibilidade de medir o pulso do Presidente porque "eu não sou médico", não se pronunciando assim sobre a posição do Presidente em relação à possibilidade de tomada de posse de um Governo apoiado pela esquerda parlamentar, Costa acabaria por sublinhar que Cavaco Silva "não deu início ao período oficial para ouvir os partidos sobre a formação de um Governo".

 

Aqui chegados, António Costa insistiu na ideia de que é necessário encontrar "uma solução estável, credível e consistente que exprima a vontade maioritária dos portugueses", para que o país possa ter "um Governo credível e estável para os próximos quatro anos". No fundo, a vontade expressa por Costa perante Cavaco passou pela demonstração da necessidade de um Executivo que corresponda "à vontade de uma mudança de políticas.

 

Por fim, o líder do PS admitiu ter recebido, da parte do primeiro-ministro, Passos Coelho, já "mesmo quando estava a chegar ao Palácio de Belém", a documentação que PS e a coligação PSD/CDS acordaram que os partidos da maioria enviariam para o Largo do Rato durante o fim-de-semana.

 

Costa reiterou que as condições socialistas no que concerne a um eventual acordo com os partidos da maioria passam pelos quatro pontos enunciados "logo na noite das eleições". A saber: virar a página da austeridade e da estratégia de empobrecimento; defesa do Estado Social e dos serviços públicos na Segurança Social, na Educação e na Saúde; relançar o investimento na ciência e na inovação; assegurar o respeito pelos compromissos europeus e internacionais de Portugal. 

(Notícia actualizada às 18h55)

Ver comentários
Saber mais António Costa Cavaco Silva PS Governo PCP PSD CDS Os Verdes BE Passos Coelho Paulo Portas Assembleia da República
Mais lidas
Outras Notícias