Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Público: António Costa quer aperfeiçoar mensagem junto dos investidores

O secretário-geral do Partido Socialista esteve esta quarta-feira reunido com o presidente da bolsa portuguesa, na tentativa de aperfeiçoar a forma de passar a mensagem do PS junto dos investidores num cenário de coligação de partidos de esquerda.

A carregar o vídeo ...
Negócios 14 de Outubro de 2015 às 21:10
  • Assine já 1€/1 mês
  • 23
  • ...

O líder do PS, António Costa, esteve hoje reunido com o presidente da Euronext Lisboa, Luís Laginha de Sousa, tendo o encontro e a troca de impressões servido, segundo avança o Público, "para o líder do PS conseguir aperfeiçoar a forma de passar a mensagem do seu partido junto dos investidores, de modo a tranquilizar algumas inquietações".

 

"Em causa está o cenário de uma eventual coligação de partidos de esquerda para formar Governo, o pode gerar um ambiente de incerteza junto de quem investe nas acções e na dívida das empresas cotadas na praça nacional", refere o jornal.

 

Este encontro teve lugar depois de na segunda-feira a bolsa portuguesa ter perdido terreno, a banca ter afundado e os juros soberanos terem subido – numa reacção, segundo os analistas que falaram com o Negócios, aos receios de um Governo de esquerda, já que a instabilidade poderá aumentar. Isto numa altura em que Costa iniciou conversações com a CDU e com o BE, com o cenário de governo à esquerda a ganhar mais peso.

"Seria um choque [haver um Governo de esquerda], face ao que os mercados prevêem actualmente", na opinião de Michael Michaelides. O analista do RBS considera que "os investidores iriam reagir adversamente, devido à percepção de que a consolidação orçamental iria abrandar e de que haveria menos vontade de implementar reformas estruturais". E o especialista atira: "o pior cenário seria um Governo formado por PS, BE e CDU, com estes três partidos a assumirem posições que divergissem do caminho actual".

Também David Schnautz aponta que "uma aliança formada por partidos de esquerda poderá ser vista como um risco de que o cansaço da austeridade e das reformas está a vir à tona em Portugal". O analista do Commerzbank explica que "um mau cenário seria as agências de notação financeira afirmarem que os desenvolvimentos políticos estão a ir no caminho errado, impedindo-as de subir o ‘rating’". "Isso poderá afectar fortemente as obrigações portuguesas, actualmente com juros baixos", acredita.

Ver comentários
Saber mais António Costa presidente da Euronext Lisboa Luís Laginha de Sousa Governo bolsa política
Mais lidas
Outras Notícias