Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

António José Seguro: “É decisivo criarmos condições para captarmos investimento”

O líder do Partido Socialista defende que o país precisa de criar um "ambiente propício ao investimento".

Bruno Simão/Negócios
Filipa Lino flino@negocios.pt 18 de Fevereiro de 2014 às 15:10
  • Partilhar artigo
  • 78
  • ...

"É decisivo criarmos condições para captarmos investimento nacional e estrangeiro", disse António José Seguro na conferência "The Economist", que decorre esta terça-feira, 18 de Fevereiro, em Cascais. 

 

Seguro quer um modelo de desenvolvimento que reestruture a economia e crie empregos de qualidade". 

 

Para isso, defende, a aplicação dos fundos comunitários que está a ser preparada é "uma oportunidade para o país".

 

Falando sobre o programa de ajustamento considerou que "se não soubermos compreender o que se passou e as razões da crise não estaremos à altura de preparar este futuro".

 

O secretário-geral do PS é contra "qualquer ‘haircut’ da dívida portuguesa". E defende duas

O programa não produziu ajustamento sustentável e provocou o empobrecimento em Portugal
 
Líder do PS

soluções, a renegociação de taxas e maturidades e a gestão europeia de uma parte da dívida para conseguir juros mais baixos. 

 

Para Seguro Portugal deveria ficar responsável pela gestão de 60% da dívida. 

 

"Não estou a passar responsabilidades", garantiu. "Aquilo que proponho é uma gestão solidária ao nível europeu, que depende da vontade política, uma vez que não traz encargos".

 

Seguro admite que o país precisa de disciplina e rigor orçamental. O que o separa do Governo é a "estratégia para o equilíbrio das contas públicas". 

 

O líder do maior partido da oposição considerou ainda que "o programa não produziu ajustamento sustentável e provocou o empobrecimento em Portugal".

 

Fazendo um balanço do programa de ajustamento Seguro disse que "o país atingiu um nível intolerável de carga fiscal", "houve cortes mas não houve reformas" e a dívida pública aumentou "cerca de 120 mil milhões de euros a mais do que o previsto".

 

Para ele as políticas de "austeridade expansionista" provocaram "graves consequências sociais". Entre elas mais de 800 mil desempregados, "o maior número de inactivos da nossa história" e "transformámo-nos num país de emigração", com mais de 300 mil portugueses a sair do país.  

Ver comentários
Saber mais António José Seguro política economia investimento
Outras Notícias