Política Brasil: 150 personalidades portuguesas em manifesto contra Bolsonaro

Brasil: 150 personalidades portuguesas em manifesto contra Bolsonaro

Um conjunto de personalidades portuguesas, incluindo deputados do PS, Bloco e PCP, assinaram um manifesto contra o "fascismo" representado pelo candidato à presidência do Brasil, Jair Bolsonaro.
Brasil: 150 personalidades portuguesas em manifesto contra Bolsonaro
Lusa 19 de outubro de 2018 às 15:48
Cerca de 150 personalidades portuguesas, incluindo deputados do PS, do BE e do PCP, subscreveram hoje um "Manifesto Internacional Contra o Fascismo no Brasil", repudiando o candidato presidencial "de extrema-direita", Jair Bolsonaro.

"Nós, mulheres e homens de várias partes do mundo comprometidos com a democracia e os direitos humanos, expressamos o mais profundo repúdio ao candidato de extrema-direita, Jair Bolsonaro, que disputa o segundo turno da eleição presidencial no Brasil no próximo 28 de Outubro", lê-se no documento a que a Lusa teve acesso.

No texto é sublinhado que "as posições que o candidato tem sustentado ao longo de sua vida pública e nesta campanha eleitoral são calcadas em valores xenófobos, racistas, misóginos e homofóbicos" e que Bolsonaro "defende abertamente os métodos violentos utilizados pelas ditaduras militares, inclusive torturas e assassinatos".

"Entre a democracia e o fascismo não pode haver neutralidade", é reclamado no texto, em que se pede aos cidadãos eleitores brasileiros para reflectirem sobre a decisão para a segunda volta das eleições presidenciais, sob o risco do "obscurantismo autoritário, com impactos duradouros não só para o Brasil, mas para toda a América Latina e Caribe e o mundo".

Os deputados socialistas Isabel Moreira, Bacelar de Vasconcelos e Fernando Anastácio estão entre os signatários, assim como os bloquistas José Manuel Pureza, Marisa Matias, Joana Mortágua e Isabel Pires. Os comunistas António Filipe, Rita Rato e João Ferreira também assinaram o texto.

Entre os subscritores do manifesto estão igualmente pessoas ligadas à vida académica, mas também a outros sectores de actividade, como os escritores Mário de Carvalho, Mário Cláudio e Alexandra Lucas Coelho, o docente universitário Barata Moura, a encenadora Fernanda Lapa, a actriz Rita Lello, o major-general Pezarat Correia, os jornalistas Fernando Correia e José Goulão, os músicos Luís Varatojo e João San Payo.

O secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, e o deputado do Partido Ecologista "Os Verdes" José Luís Ferreira também se juntaram ao protesto.

No Brasil, o candidato favorito ao triunfo eleitoral, Jair Bolsonaro (Partido Social Liberal), obteve 46% dos votos na primeira volta e concorre agora só contra o segundo posicionado, Fernando Haddad (Partido dos Trabalhadores), que alcançou 29%.



pub

Marketing Automation certified by E-GOI