Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Cavaco Silva foi a Tomar inaugurar um centro tecnológico e puxar as orelhas aos partidos

A falta de consenso interpartidário mereceu um reparo por parte do Presidente da República. “Por que é que, em Portugal, é tão difícil os partidos dialogarem uns com os outros”, questionou-se Cavaco Silva.

Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 04 de Novembro de 2013 às 13:11
  • Assine já 1€/1 mês
  • 81
  • ...

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, foi esta quarta-feira inaugurar o Centro de Inovação e Tecnologia, em Tomar, uma iniciativa que agrega a tecnológica IBM, a autarquia e o instituto politécnico local. E, entre elogios à empresa norte-americana e à ligação entre empresas e ensino superior, Cavaco Silva aproveitou para repreender os partidos políticos.

 

Na sua intervenção, o Chefe de Estado elogiou o “consenso político” que houve em Tomar para erguer o centro de inovação e que “conferiu ao projecto uma garantia acrescida de estabilidade. Para Cavaco Silva, é um “exemplo muito positivo para o resto do País”.

 

Mais à frente, já no final da palestra, em declarações aos jornalistas, o Presidente da República decidiu ser mais directo e, apesar de dizer que não queria “ofuscar” Tomar, criticou os partidos.

 

“Por que é que, em Portugal, é tão difícil os partidos dialogarem uns com os outros e encontrarem entendimentos para o médio prazo?”, questionou Cavaco Silva que, no Verão, na sequência da crise política, quis que houvesse um “compromisso de salvação nacional” entre os partidos do arco da governação.

 

“Surpreende-me que Portugal seja uma excepção" no diálogo entre partidos

 

O ocupante do Palácio de Belém falou especificamente do actual momento que o País vive, reiterando que o consenso político seria importante “principalmente num contexto em que o entendimento interpartidário conseguiria reforçar a posição de Portugal nas negociações com os credores, melhoraria as condições de financiamento do Estado e das empresas e reforçaria a recuperação económica”.

 

“Os portugueses compreendem isto, são favoráveis a um entendimento entre as forças partidárias”, acrescentou Cavaco Silva nas declarações aos jornalistas, à margem da inauguração do centro tecnológico, dizendo que essa dificuldade não é uma realidade em países como Espanha.  

 

“Surpreende-me que Portugal seja uma excepção. Chegam-me notícias de diálogo frutuoso entre partidos [noutros países]”, disse o Presidente da República para depois deixar um recado: “Os partidos em Portugal têm de se habituar a trabalhar em conjunto, de forma a resolver os problemas”. 

 

Cavaco Silva não se quis alongar muito sobre o tema da falta de diálogo interpartidário e preferiu não “ofuscar” o evento em que participou: a inauguração do centro tecnológico.

 

O Chefe de Estado, no meio de elogios à IBM, sublinhou a criação de emprego jovem e de elevada qualificação, a colocação de Portugal “como uma das localizações mais competitivas da Europa” e a aposta no conhecimento e na inovação como carácter distintivo do País.

 

Ver comentários
Saber mais Presidente da República Aníbal Cavaco Silva Centro de Inovação e Tecnologia IBM partidos política
Mais lidas
Outras Notícias