Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

"Centrão" perde europeus e socialistas perdem cabeças

Os partidos pró-europeus ainda controlam. Já o domínio britânico do espaço anti-Europa está com os dias contados: a caminho de Estrasburgo está o exército eurocéptico vindo de França.

Reuters
Eva Gaspar egaspar@negocios.pt 27 de Maio de 2014 às 00:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

Conservadores, socialistas e liberais – as forças partidárias que têm estado por detrás da construção europeia – nunca tiveram uma representação tão curta, mas ainda dominam. No novo Parlamento Europeu controlarão cerca de 60%, em vez de mais de 70%, dos 751 assentos, depois de terem perdido quase 80 lugares para as forças mais eurocépticas (caso da Esquerda Unida, onde se encaixam o Syriza grego e a CDU portuguesa) ou abertamente anti-europeias.

 

Os movimentos adversos à integração europeia deverão passar a ter dois grupos em Estrasburgo: um, como até agora, liderado pelo nacionalista britânico Nigel Farage, e possivelmente uma outra facção comandada pela francesa Marine Le Pen.

Um pouco por toda a Europa, o fortalecimento dos partidos dos extremos foi feito à custa dos liberais e, sobretudo, dos partidos socialistas. Perante desaires históricos, em Espanha e na Irlanda os seus líderes - na oposição em Madrid, mas no governo em Dublin – pediram a demissão. Em França, onde a derrota "rosa" foi a mais estrondosa, ainda não rolaram cabeças.

A nova configuração em Estrasburgo não impedirá os partidos pró-europeus de determinarem a agenda, mas isso exigirá que passem a concertar estreita e regularmente posições: em vez da clássica clivagem esquerda/direita, o Parlamento terá de passar a funcionar numa lógica de confrontação entre adeptos e adversários da integração europeia. O primeiro teste será a eleição do sucessor de Durão Barroso à frente da Comissão Europeia, que começará a ser esta noite discutida em Bruxelas durante um jantar informal entre os líderes europeus.

As projecções mais recentes dos resultados oficiais - ainda parciais - confirmam a vitória dos conservadores do Partido Popular Europeu (PPE) que, ainda assim, perdem peso em Estrasburgo, ao recolherem 28,4% dos votos (contra 35,8% nas eleições europeias de 2009), elegendo 213 eurodeputados num total de 751.

 

Em conferência de imprensa, Jean-Claude Juncker, o candidato do PPE à sucessão de Durão Barroso, voltou nesta segunda-feira a reclamar a presidência da Comissão Europeia, pedindo, porém, consensos com o grupo socialista (S&D), que apresentou o alemão Martin Schulz como candidato. A menos de quatro pontos percentuais de distância do PPE, a família a que pertence o PS terá recolhido 25,3% dos votos, elegendo 190 deputados e encurtando a distância face ao PPE na nova configuração parlamentar.

Exército eurocéptico a caminho de Estrasburgo

Os resultados confirmam que partidos ferozmente eurocépticos foram os primeiros ou segundos mais votados no Reino Unido, Dinamarca, Itália e Grécia, onde a vitória do Syriza, na extrema-esquerda, foi acompanhada do crescimento da extrema-direita neo-nazi, que se converteu no terceiro mais votado.

No Reino Unido, tradicionalmente muito "europrudente", essa escalada foi vertiginosa. Embalado num feroz discurso anti-imigração, o UK Independence Party de Nigel Farage recolheu 30% dos votos. Na última legislatura, Farage liderou o grupo da Europa da Liberdade e Democracia (EFD), sétima força no PE, com 31 lugares de 12 países. Até agora, o EFD conseguiu 35 lugares nas eleições, permanecendo o único grupo anti-europeu no PE. Esse domínio britânico do espaço anti-Europa estará, porém, com os dias contados.

 

A caminho de Estrasburgo está o exército eurocéptico vindo de França, onde o Frente Nacional, partido de extrema-direita de Marine Le Pen, quadruplicou a percentagem de votos obtida em 2009 e garantiu um resultado histórico na casa de 25%.

Pelo caminho ficaram os destroços do partido socialista do presidente François Hollande, que recolheu o pior resultado de sempre – 14% – o que explica, em boa medida, a vitória da família conservadora europeia face ao grupo socialista que acabou por ter em Itália o seu melhor resultado. O Partido Democrata do primeiro-ministro Matteo Renzi obteve 40% dos votos, quase o dobro dos 21% do Movimento "Cinco Estrelas" de Beppe Grillo. Prestes a assumir a presidência semestral da União Europeia, a partir de Julho, Renzi tenderá a aproveitar este resultado para suavizar o Tratado Orçamental.

 
Líderes começam a digerir resultados

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia vão reunir-se esta noite em Bruxelas num jantar informal para iniciar negociações sobre o novo presidente da Comissão Europeia, mas também outros altos cargos, designadamente o de presidente do Parlamento, do Conselho Europeu e de Alto Representante para a Política Externa - todos eles em fim de mandato. O luxemburguês Jean-Claude Juncker é o candidato melhor posicionado à sucessão de Durão Barroso, depois da vitória do PPE, mas só no próximo mês deverá sair "fumo branco".

 

 

Ver comentários
Saber mais Parlamento Europeu Esquerda Unida CDU Estrasburgo Nigel Farage Marine Le Pen Europa Partido Popular Europeu Jean-Claude Juncker Martin Schulz PS Partido Democrata eleições Tratado Orçamental política União Europeia
Mais lidas
Outras Notícias