Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

António Costa: Governo devia focar-se em apresentar um programa para o país

O secretário-geral do PS, António Costa, afirmou esta sexta-feira em Coimbra que os ministros, "em vez de se concentrarem tanto a criticar o programa do PS", deveriam focar-se na governação e na apresentação de um programa para o futuro do país.

Miguel Baltazar
Lusa 22 de Maio de 2015 às 13:37
  • Assine já 1€/1 mês
  • 23
  • ...

"Todos os dias há uma espécie de concurso dos ministros a criticar o programa do PS. [O que era útil] em vez de se concentrarem tanto a criticar o programa do PS, era fazerem a sua primeira missão, que é governar, e apresentar um programa para o futuro do país", afirmou António Costa à margem de uma visita à farmacêutica Bluepharma, em Coimbra, acrescentando que os "portugueses precisam de ter uma escolha clara nestas eleições".

 

António Costa afirmou que "gostaria de poder ler um programa" do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, sublinhando que o PS já apresentou um "documento estratégico", um cenário macroeconómico, e tem, em debate público, um projecto de programa eleitoral, mas "do primeiro-ministro não sabemos nada".

 

"Sabemos que as previsões económicas que têm não merecem sequer a confiança da União Europeia, do FMI [Fundo Monetário Internacional] ou da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico]", realçou o secretário-geral do PS.

 

Sobre as críticas de Passos Coelho ao programa do PS, António Costa sublinhou que o primeiro-ministro tem "uma dificuldade na leitura dos documentos do PS", sendo que "um dia olha para os documentos e vê documentos radicais e esquerdistas e noutro dia olha para os mesmos documentos e vê perigosos liberais".

 

Hoje é "conhecida a nossa proposta de ruptura com a austeridade, sem romper com o quadro da Zona Euro, que aposta no relançamento da economia, na criação de emprego, assente na inovação e modernização do país", apontou, referindo que o Governo, no seu entender, deveria dizer, "de uma vez por todas, o que é que pretende para o futuro do país. É isso que o primeiro-ministro deveria dizer".

 

Em entrevista ao jornal digital Observador, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, diz que "há medidas apresentadas pelos economistas do PS que são perfeitamente liberais", dizendo não as subscreve e apontou como exemplo a proposta contida no cenário macroeconómico de um contrato único de trabalho.

(Notícia actualizada às 13h50 com mais informação)

Ver comentários
Saber mais António Costa PS política eleições PSD Passos Coelho
Outras Notícias