Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Cristas critica "austeridade à esquerda" que penaliza classe média  

A presidente do CDS criticou hoje a "austeridade à esquerda, ou 'a la gauche'", que está a penalizar "altamente" a classe média através dos impostos indirectos, nomeadamente nos combustíveis, para "satisfazer a agenda dos sindicatos e das esquerdas radicais".

Lusa 08 de Setembro de 2016 às 15:06
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

"A classe média está a ser altamente penalizada com uma austeridade à esquerda ou 'a la gauche', que nós vemos na execução orçamental, com mais 2,3% de crescimento só na receita fiscal e 2,8% em geral. Isto significa mais 500 milhões de euros retirados aos bolsos dos portugueses através dos impostos indirectos, nomeadamente o gasóleo e a gasolina", afirmou a líder centrista no Cartaxo.

 

Falando à margem de uma visita à Agroglobal, Feira das Grandes Culturas, que decorre até sexta-feira em campos agrícolas junto ao Tejo, em Porto de Muge (Cartaxo), Assunção Cristas considerou ser "impossível" o Governo "desincumbir-se" do Orçamento de 2017 "sem atacar a classe média".

 

"Vemos neste momento um ataque forte à classe média para satisfazer a agenda dos sindicatos e das esquerdas radicais", acrescentou.

 

Assunção Cristas, que foi ministra da Agricultura no Governo PSD/CDS, visitou hoje a Agroglobal, Feira das Grandes Culturas, um certame profissional que decorre numa área de perto de 200 hectares de terrenos agrícolas junto ao Tejo, no concelho do Cartaxo, onde participará, à tarde, num debate sobre "os desafios da Agricultura nos próximos 15 anos".

 

Cristas afirmou que o CDS vai voltar a propor para o próximo Orçamento do Estado uma actualização das pensões mais baixas, "pelo menos acima da inflação", e um crédito fiscal para as empresas que invistam.

 

A líder centrista considerou "uma enorme hipocrisia" que o Bloco de Esquerda tenha proposto esta semana o aumento das pensões mínimas acima da inflação, depois de, juntamente com o PCP, ter votado contra a proposta feita pelo CDS para o orçamento que está em vigor.

 

"É uma extraordinária hipocrisia da parte das esquerdas, e nas esquerdas incluo todos, porque são todos 'farinha do mesmo saco'", declarou, sublinhando que o CDS continuará a trabalhar para que as pensões mais baixas, mínimas e rurais, "possam ter uma actualização acima pelo menos da inflação", matéria em que será "consistente e consequente".

 

Quanto às pensões da classe média, afirmou não ver como será possível qualquer actualização enquanto o país estiver "a pagar as facturas da agenda da esquerda radical" e a economia não crescer de forma "sustentável e duradoura".

 

"Aguardamos com serenidade para ver o Orçamento do Estado, mas os sinais que vamos tendo até agora são de facto de muito ruído e de pouca consistência", disse.

 

Assunção Cristas afirmou que outra prioridade para o CDS está na criação de mecanismos que podem incentivar o investimento, pelo que o partido proporá "um crédito fiscal reforçado para as empresas que façam investimento".

Ver comentários
Saber mais Feira das Grandes Culturas Assunção Cristas Orçamento do Estado Bloco de Esquerda PCP CDS Governo PSD
Outras Notícias