Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governo britânico avança com proposta de lei "legal" que anula partes do Acordo do Brexit

Na abertura do debate que precede a votação na generalidade, a ministra dos Negócios Estrangeiros, Liz Truss, afirmou que a legislação é "legal e necessária" para devolver estabilidade política à província.

4.º Reino Unido (63,9)
SUZANNE PLUNKETT
Lusa 27 de Junho de 2022 às 19:46
  • Partilhar artigo
  • ...
O Governo britânico reiterou hoje que a proposta de lei que anula partes do Acordo do Brexit sobre a Irlanda do Norte é "legal", apesar de dúvidas levantadas pela oposição e deputados do próprio Partido Conservador. 

Na abertura do debate que precede a votação na generalidade, a ministra dos Negócios Estrangeiros, Liz Truss, afirmou que a legislação é "legal e necessária" para devolver estabilidade política à província.

O segundo partido mais votado nas eleições regionais de maio, o Partido Democrata Unionista (DUP), recusou viabilizar um governo de partilha de poder com os republicanos do Sinn Fein enquanto o Protocolo da Irlanda do Norte não for alterado. 

"Nós simplesmente não podemos permitir que esta situação se prolongue. A Irlanda do Norte está sem um governo autónomo desde fevereiro devido especificamente ao Protocolo, num momento de grandes desafios económicos globais. Portanto, é dever deste governo agir agora para encorajar um plano para restaurar o governo local. É legal e necessário", afirmou.

Porém, o ministro sombra dos Negócios Estrangeiros do Partido Trabalhista, David Lammy, argumentou que a proposta de lei arrisca uma guerra diplomática e comercial com a União Europeia (UE) e desestabiliza a colaboração com a União Europeia na questão da Ucrânia. 

"Ao trazer esta proposta de lei, o governo fá-lo porque se opõe ao texto que negociou e às escolhas que fez livremente. Está a pedir a cada um dos deputados desta Câmara que vote a favor de uma legislação que viola o direito internacional", disse na Câmara dos Comuns. 

Na sua opinião, a proposta de lei é "nociva e contraprodutiva, a estratégia por detrás tem defeitos, a justificação jurídica é fraca, os precedentes que abre são perigosos e a oportunidade não podia ser pior". 

A antiga primeira-ministra Theresa May foi uma entre vários deputados da bancada do Partido Conservador que se levantaram para criticar e manifestar oposição ao texto, alegando que não só viola um tratado internacional, mas arrisca manchar a reputação do Reino Unido.

"A posição do Reino Unido no mundo, a nossa capacidade de unir e encorajar outros [países] na defesa dos nossos valores comuns depende do respeito que eles têm pelo nosso país, um país que cumpre a sua palavra e reflete esses valores comuns nas suas ações", referiu, afirmando que a iniciativa do Governo arrisca "diminuir o Reino Unido aos olhos do mundo". 

De acordo com o Governo, a proposta de lei visa alterar partes do Protocolo sobre a Irlanda do Norte do Acordo de Saída do Reino Unido da UE de forma a resolver "processos alfandegários onerosos, regulamentação inflexível, discrepâncias fiscais e de gastos, e questões de governação democrática".

O Protocolo, concluído em 2019, foi a solução encontrada durante o processo do Brexit para evitar uma fronteira física entre o território britânico e a República da Irlanda, um dos requisitos dos acordos de paz de 1998.

Na prática, deixa a Irlanda do Norte dentro do mercado único de mercadorias da UE, ficando o território sujeito a normas e leis europeias, e implica controlos e documentação adicional sobre mercadorias que circulam entre o Reino Unido e a província.

Porém, o Partido Democrata Unionista (DUP) considera que cria uma "fronteira" com o resto do país e em protesto fez cair o governo regional em fevereiro e bloqueou a formação de um novo executivo após as eleições de maio. 
Ver comentários
Saber mais Partido Democrata Unionista Governo Irlanda do Norte DUP DUP Reino Unido União Europeia Câmara dos Comuns Brexit política
Outras Notícias