A carregar o vídeo ...
Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governos, supervisores, gestão e resolução: PSD quer analisar tudo no inquérito ao Banif

O Partido Social Democrata chegou-se à frente e propõe uma comissão de inquérito ao Banif. Quer, por exemplo, analisar a venda do banco ao Totta e as alternativas. O diploma, que poderá ainda ser complementado por iniciativas dos outros partidos, será discutido a 22 de Janeiro.

Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 06 de Janeiro de 2016 às 19:10
  • Assine já 1€/1 mês
  • 9
  • ...

"A constituição de uma comissão eventual de inquérito parlamentar à gestão do Banif à aplicação da medida de resolução e à alienação da sua actividade, aos processos que a ela conduziram, respectivas causas e consequências resultantes". Este é o objecto de um inquérito parlamentar ao Banif, segundo a proposta avançada pelo Partido Social Democrata.

 

Sem a companhia do anterior parceiro de coligação, e antecipando-se à esquerda parlamentar, os social-democratas avançaram sozinhos com um diploma para a constituição de uma comissão de inquérito ao Banif. A realização de uma comissão deste género ao banco era já dado como adquirida, dado o consenso entre todos os partidos. Contudo, o objecto pode variar consoante a proposta. No caso do PSD, são vários os pontos em destaque, desde logo a aplicação da medida de resolução, a 20 de Dezembro de 2015. 

 

O PSD, que tem sido representado neste tema pelo vice-presidente da bancada António Leitão Amaro (na foto), dedica atenção não só ao processo como um todo mas individualiza a venda da actividade ao Santander Totta, de forma a avaliar as "alternativas, as condições financeiras e garantias futuras, designadamente para os contribuintes, para os trabalhadores e quanto à actividade nas regiões autónomas e na diáspora".

 

O que acontece à Naviget (veículo de gestão de activos) e os seus impactos é outro dos pontos a avaliar pelo partido com mais deputados na Assembleia da República, que também espera que a comissão olhe para o que levou à "degradação da situação do banco, quer no período prévio à aplicação da medida de resolução, quer no âmbito desta".

 

A atenção à gestão

 

Um outro elemento a apurar pela comissão de inquérito, segundo o diploma do PSD, é a gestão. Até Janeiro de 2013, por um lado, para "apurar as práticas da gestão do Banif que conduziram à necessidade de recapitalização pelo Estado". Foi nesta altura que a instituição recebeu 1,1 mil milhões de euros públicos. Mas a comissão de inquérito deve, também, olhar para as "práticas de gestão desde então". Mas não só a gestão. Qual o "papel desempenhado pelo supervisor, accionistas e pelos auditores externos" é uma resposta a que o inquérito parlamentar terá de responder.

 

Aliás, o PSD quer "avaliar as condições e o modo de exercício das atribuições próprias das entidades públicas nacionais e europeias nesta matéria". "Governos, supervisores financeiros, Comissão Europeia e Banco Central Europeu" são enunciados especificamente e o objectivo é recuar até 2008. Um ano em que estava no poder, em Portugal, o Partido Socialista de José Sócrates. Nesse ano, caiu o gigante americano Lehman Brothers, afectando a banca portuguesa – que levou, por exemplo, à nacionalização do BPN.

 

Para o partido que esteve na liderança do Governo na altura da recapitalização, que tem sido acusado de inacção nos anos após a recapitalização da instituição financeira com sede no Funchal, é importante olhar para que "alternativas" havia para o banco para além da injecção de 1,1 mil milhões de euros.

 

Discussão em duas semanas

 

Depois das várias mudanças legislativas que existiram após o inquérito ao Banco Espírito Santo, o PSD considera que a comissão parlamentar ao Banif tem de "avaliar o quadro legislativo e regulamentar, nacional e comunitário, aplicável ao sector financeiro e a sua adequação aos objectivos de prevenir, controlar e fiscalizar as práticas conducentes à situação em que se encontrou o Banif".

 

O PSD quer que a comissão de inquérito fique concluída em 120 dias (sendo que o regime destes inquéritos permite que se possam estender para lá deste período).

 

Esta é a proposta dos social-democratas que, até dia 22 de Janeiro (data que ficou já definida para a discussão e votação do diploma), poderá ainda ser complementada por iniciativas idênticas dos partidos, que poderão variar no objecto. No mesmo dia, será votada a proposta de auditoria externa e independente à gestão do Banif, também feita pela mão do PSD.

Ver comentários
Saber mais PSD Partido Social Democrata António Leitão Amaro Totta Banif Santander Totta Assembleia da República comissão de inquérito
Outras Notícias