Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Greve: Marcelo não quer que portugueses sejam sacrificados "de modo desproporcionado"

O Presidente da República divulgou uma nota após o encontro com o primeiro-ministro onde apela à "responsabilidade de todos os envolvidos neste conflito".

Tiago Varzim tiagovarzim@negocios.pt 12 de Agosto de 2019 às 17:59
  • Assine já 1€/1 mês
  • 13
  • ...
Marcelo Rebelo de Sousa apela à responsabilidade de todos os intervenientes na greve dos motoristas para que os portugueses não sejam sacrificados "de modo desproporcionado". O apelo é feito numa nota divulgada no site da Presidência após o encontro entre o Presidente da República e o primeiro-ministro.

"[O Presidente da República] sublinha a responsabilidade de todos os envolvidos neste conflito entre entidades privadas, na procura de soluções justas, sem sacrificar, de modo desproporcionado, os Portugueses", pode ler-se na nota divulgada esta segunda-feira, 12 de agosto. Esta é a reação do Presidente da República aos desenvolvimentos da greve dos motoristas que começou hoje e que decorre por tempo indeterminado.

Em Belém, esta tarde, o primeiro-ministro, António Costa, revelou que houve uma "alteração significativa do cumprimento generalizado" dos serviços mínimos que se observava durante a manhã. Contudo, Pedro Pardal Henriques, porta-voz do sindicato, disse, citado pelo Observador, que estão a ser cumpridos os serviços mínimos, criticando a possibilidade da requisição civil ser decretada.

Na nota, Marcelo refere que o primeiro-ministro o informou sobre a situação vivida "em termos da garantia da distribuição de bens, definidos como mínimos, indispensáveis à satisfação das necessidades dos Portugueses, assim como da posição do Governo perante várias perspetivas de evolução", sem revelar quais são.

"O Presidente da República recorda a importância de, em todas as circunstâncias, serem salvaguardados os valores e princípios do Estado de Direito Democrático e, neles, os direitos fundamentais, a segurança e a normalidade constitucional", escreve Marcelo Rebelo de Sousa.

Neste momento decorre uma reunião de Conselho de Ministros para avaliar a necessidade de se avançar com uma requisição civil e de colocar motoristas da GNR e da PSP a transportar combustíveis. Às 19h realiza-se a conferência de imprensa dessa reunião do Governo onde poderá ser anunciada a requisição civil dos motoristas, segundo a SIC Notícias.

Costa revelou que a zona mais crítica é o Algarve e o aeroporto de Lisboa o mais afetado. A ANA já anunciou que está a restringir o abastecimento de aviões na capital. A confirmar-se, a requisição civil poderá não ser total, ou seja, poderá ser apenas dirigida às empresas e regiões onde o incumprimento dos serviços mínimos é maior. A meio da tarde havia quase 500 postos sem combustíveis.

(Notícia atualizada com mais informação às 18h15)
Ver comentários
Saber mais Marcelo Rebelo de Sousa Presidente da República combustíveis greve
Mais lidas
Outras Notícias