Política Guterres está "desiludido" com resposta europeia à crise migratória

Guterres está "desiludido" com resposta europeia à crise migratória

António Guterres diz-se desiludido com a forma como os países europeus estão a gerir a crise migratória e dos refugiados. Cavaco elogia Guterres e garante apoio de Portugal à sua candidatura para secretário-geral da ONU.
A carregar o vídeo ...
David Santiago 02 de fevereiro de 2016 às 14:42

"A Europa não foi capaz de se unir e organizar" para responder convenientemente aos desafios colocados pela crise migratória que em 2015 trouxe milhares de migrantes e requerentes de asilo para o espaço comunitário. Esta declaração foi feita esta terça-feira, 2 de Fevereiro, por António Guterres, que recebeu das mãos do Presidente da República, Cavaco Silva, a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade.

 

Essa incapacidade é uma "fonte de grande tristeza e grande frustração" para o até há pouco tempo Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, que se diz "desiludido" com as "medidas restritivas" que os Estados-membros da União Europeia têm vindo consecutivamente a adoptar de forma a dissuadir os refugiados de quererem ser integrados nas respectivas sociedades.

 

Esta desilusão é especialmente grande "para quem foi Alto Comissário para os Refugiados e é um europeísta convicto", acrescentou o também candidato ao cargo de secretário-geral das Nações Unidas. Para Guterres, "os países europeus hoje são pequenos" e "a Europa para não ficar irrelevante no quadro internacional tem de se unir", algo que o ex-primeiro-ministro português considera não estar a verificar-se.

 

Todavia, apesar do diagnóstico desfavorável, António Guterres defende que "não podemos dizer que a Europa é egoísta. A Europa é portadora dos valores humanistas mais importantes", mas actualmente "as lideranças políticas [ainda] não se conseguiram unir".

 

O que é especialmente grave no entender de Guterres, designadamente porque está a acontecer uma "rejeição em relação a pessoas que já sofreram tanto (…) e que agora encontram portas fechadas".

 

Guterres sentiu ter o "dever" de se candidatar à liderança da ONU

 

No final da cerimónia que decorreu no Palácio de Belém, António Guterres disse aos jornalistas que é conhecedor das "circunstâncias complexas que rodeiam essa eleição" para secretário-geral das Nações Unidas (ONU), no entanto considera ser "meu dever estar disponível" para protagonizar esta candidatura.

 

"Tenho a obrigação de dizer que estou disponível para poder fazer algo mais em matéria de serviço público", concluiu.

 

Cavaco Silva elogiou o papel desempenhado por Guterres, garantindo "todo o apoio de Portugal" para esta candidatura. "Tem o perfil e conhecimentos para desempenhar o mais alto cargo do sistema das Nações Unidas", disse Cavaco que espera que "tal seja reconhecido pelos países da comunidade internacional".

 

"Em Portugal é muito difícil encontrar outra personalidade que mais tenha lutado pela dignificação da pessoa humana".




pub

Marketing Automation certified by E-GOI