Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Justiça brasileira retira passaporte e impede Lula da Silva de sair do país

Um juiz federal de Brasília ordenou a retirada do passaporte ao ex-Presidente Lula da Silva, que foi condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção, proibindo-o de sair do país, confirmaram fontes oficiais.

EPA/Lusa
Lusa 26 de Janeiro de 2018 às 00:16
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

A decisão, já comunicada à Polícia Federal, que tem a responsabilidade de controlar os aeroportos, foi tomada algumas horas antes da viagem do antigo chefe de estado à Etiópia, para participar numa conferência da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura.

 

"O director-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, comunicou por telefone na noite de hoje ao ministro da Justiça, Torquato Jardim, a decisão da Justiça Federal de impedir que o ex-Presidente saía do país", refere o Ministério da Justiça brasileiro em comunicado.

 

De acordo com a mesma fonte, o ministro pediu ao director da Polícia Federal que informasse Lula da decisão na sua residência, para evitar situações embaraçosas.

 

A ordem de retenção de passaporte foi emitida pelo juiz em Brasília que está a investigar as acusações contra Lula da Silva por suposto tráfico de influências no processo que culminou com a decisão do Governo brasileiro de adquirir 36 bombardeiros da empresa sueca Saab.

 

Este é um dos sete processos judiciais que o ex-Presidente enfrenta, na sua maioria por alegados casos de corrupção, tendo sido condenado na quarta-feira em segunda instância em um desses processos.

 

Um colectivo de três juízes confirmou na quarta-feira, por unanimidade, a condenação do ex-Presidente Lula da Silva, por corrupção e branqueamento de capitais, num julgamento em Porto Alegre, aumentando a pena para 12 anos e um mês de prisão.

 

O primeiro foi o desembargador federal João Pedro Gerbran Neto, e o segundo foi o juiz Leandro Paulsen, revisor do processo, que também deu como comprovado o pagamento de suborno a Lula da Silva, em forma de um apartamento triplex no Guarujá, em troca do favorecimento da OAS em contratos na petrolífera estatal Petrobras.

 

Por último, o magistrado Victor Laus confirmou também a condenação do ex-Presidente em 1.ª instância, considerando que Lula da Silva tirou "proveito desta situação" de corrupção da Petrobras, sendo uma atitude que não é a esperada de um Presidente.

 

O juiz federal Sérgio Moro, em 1.ª instância, deu como provado que a construtora brasileira OAS entregou a Lula da Silva um apartamento no Guarujá, em São Paulo, em troca de favorecimento em contratos com a Petrobras, condenando o ex-Presidente a nove anos e meio de prisão em Julho de 2017.

Ver comentários
Saber mais Polícia Federal Fernando Segovia Torquato Jardim Brasília João Pedro Gerbran Neto Leandro Paulsen Victor Laus Lula da Silva Sérgio Moro
Mais lidas
Outras Notícias