Política Marcelo concorda com Governo sobre necessidade de auditoria às contas do Novo Banco

Marcelo concorda com Governo sobre necessidade de auditoria às contas do Novo Banco

"Eu penso que aquilo que foi pedido pelo senhor ministro das Finanças foi bem pedido, uma auditoria. Os portugueses têm o direito de saber o que se passou desde que foi determinada a resolução" do BES, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.
Marcelo concorda com Governo sobre necessidade de auditoria às contas do Novo Banco
Tiago Petinga/Lusa
Lusa 03 de março de 2019 às 14:48
O Presidente da República concordou este domingo com o pedido de auditoria anunciado pelo Governo às contas do Novo Banco, considerando que "os portugueses têm o direito de saber o que se passou" desde a resolução desta instituição.

"Eu penso que aquilo que foi pedido pelo senhor ministro das Finanças foi bem pedido, uma auditoria. Os portugueses têm o direito de saber o que se passou desde que foi determinada a resolução, já lá vão muitos anos, com sucessivas gestões e saber concretamente qual o destino do dinheiro dos contribuintes. Esse esclarecimento é importante", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, questionado pelos jornalistas, à margem das comemorações do 216.º aniversário do Colégio Militar, que hoje decorrem em Lisboa.

Questionado se considera preocupante que os portugueses continuem a ter de injetar dinheiro nos bancos, o chefe de Estado reiterou: "É fundamental apurar para que isso não continue a acontecer".

Na sexta-feira (dia 1 de março), o Novo Banco anunciou que vai pedir uma injeção de capital de 1.149 milhões de euros ao Fundo de Resolução, tendo o Ministério das Finanças anunciado que "considera indispensável" a realização de uma auditoria para escrutinar o processo de capitalização deste banco.

No ano passado, para fazer face a perdas de 2017, o Novo Banco já tinha recebido uma injeção de capital de 792 milhões de euros do Fundo de Resolução, pelo que, a concretizar-se o valor pedido agora, as injeções públicas ficarão em mais de 1.900 milhões de euros.

O Novo Banco, que ficou com parte da atividade bancária do Banco Espírito Santo (BES) - resgatado no verão de 2014 -, é desde outubro de 2017 detido em 75% pelo fundo norte-americano Lone Star, sendo os restantes 25% propriedade do Fundo de Resolução bancário (entidade da esfera pública gerida pelo Banco de Portugal).

A Lone Star não pagou qualquer preço, tendo acordado injetar 1.000 milhões de euros no Novo Banco, e negociou um mecanismo que prevê que, durante oito anos, o Fundo de Resolução injete até 3,89 mil milhões de euros no banco por perdas que venha a registar num conjunto de ativos 'tóxicos' e alienações de operações não estratégicas (caso ponham em causa os rácios de capital da instituição).

Em 2018 o Novo Banco registou prejuízos de 1.412 milhões de euros.



pub

Marketing Automation certified by E-GOI