Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Marcelo defende "política da verdade" mesmo que isso tenha custos no turismo

O Presidente da República vincou hoje que Portugal tem realizado um grande número de testes à covid-19, defendendo essa "política da verdade", mesmo que tenha custos no turismo externo.

Manuel de Almeida
Lusa 10 de Julho de 2020 às 14:41
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...
"Nós não fechamos os olhos à verdade. Podíamos fechar os olhos à verdade, dizendo que já chega de testes, que não vale a pena verificar mais, que o que aparecer como sintomático aparece e o que não aparecer não vamos à procura. A nossa orientação deve ser oposta, mesmo que tenha custos em termos internacionais", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, que falava aos jornalistas em Coimbra.

O Presidente da República defendeu a tese de que Portugal, ao ter optado por "testes massivos" em determinados setores onde apareceram casos sintomáticos de covid-19, passou a "conhecer a realidade dos assintomáticos, muitos deles jovens, que não tinham sinais de covid-19".

Segundo o chefe de Estado, esses testes permitiram "revelar de forma mais clara muitos casos positivos, assintomáticos", o que depois terá pesado "nas decisões de outros países [relativamente às medidas impostas na circulação], olhando apenas para o número dos casos positivos".

A ideia de que o aumento de casos na Grande Lisboa se devia ao aumento de testes já tinha sido partilhada pelo primeiro-ministro, António Costa, no final de junho, tese essa que foi contestada por epidemiologistas ouvidos pelo Expresso, que contrariam a ideia de que o número de testes explica a subida do número de infetados detetados.

"Nós temos a política da verdade - não estou a dizer que outros não a tenham, mas nós temo-la de uma forma radical", salientou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República referiu ainda que Portugal, no que toca à abertura de fronteiras, optou por uma orientação de "não estabelecer, em princípio barreiras a países, a não ser que haja situações verdadeiramente excecionais", vincando que não haverá retaliações a Estados que tomem medidas mais restritivas.

Em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa vincou ainda que é seguro fazer turismo em Portugal, salientando que já esteve no Algarve, no Porto e na Madeira, onde as situações são de evolução positiva em relação à pandemia e, mesmo em relação a Lisboa, continua a fazer a sua "vida normal".

A pandemia de covid-19 já provocou 555 mil mortos e infetou mais de 12,2 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.644 pessoas das 45.277 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.
Ver comentários
Saber mais Marcelo Rebelo de Sousa Grande Lisboa
Outras Notícias