Política Marcelo subscreve posição do Governo e lamenta saída dos EUA do acordo com Irão

Marcelo subscreve posição do Governo e lamenta saída dos EUA do acordo com Irão

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, subscreveu hoje a tomada de posição do Governo, que lamentou a saída dos EUA do acordo nuclear do Irão e defendeu que os restantes signatários devem manter a sua posição.
Marcelo subscreve posição do Governo e lamenta saída dos EUA do acordo com Irão
Lusa 08 de maio de 2018 às 22:59

"O Presidente da República subscreve plenamente a posição do Governo, tornada pública esta tarde, sobre a decisão do Presidente dos Estados Unidos da América de retirada unilateral do acordo nuclear com o Irão", refere uma breve nota divulgada no sítio oficial da Presidência da República.

 

O Governo português "lamenta bastante" a saída dos EUA do acordo nuclear com o Irão, mas espera que esta seja "compensada" pela determinação dos restantes signatários de manterem a sua posição, disse à Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros.

 

"Lamentamos bastante a decisão dos Estados Unidos. Nós, Portugal, e a União Europeia tudo fizemos para convencer os nossos amigos americanos a não darem este passo", afirmou Augusto Santos Silva, em declarações à agência Lusa.

 

O Governo português vê o acordo como "um instrumento positivo", com o objetivo de "impedir que o Irão chegue à produção de armas nucleares próprias", referiu o governante.

 

O chefe da diplomacia portuguesa advertiu que a decisão dos EUA, hoje anunciada pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, pode ter consequências negativas, nomeadamente o "isolamento iraniano e o enquistamento ainda mais intenso do regime iraniano", bem como uma "escalada da conflitualidade que hoje já é evidente no Médio Oriente".

 

Consequências que, para o Governo português, podem ser mitigadas se os restantes signatários do acordo nuclear "mantiverem a sua posição".

 

"Esperamos que esta saída dos Estados Unidos seja compensada pela determinação das restantes partes signatárias do acordo no seu cumprimento", sublinhou Santos Silva.

 

O Presidente Donald Trump anunciou hoje que os Estados Unidos abandonam o acordo nuclear assinado entre o Irão e o grupo dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha.

 

O acordo foi concluído em Julho de 2015 entre o Irão e o grupo 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU -- EUA, Rússia, China, França e Reino Unido -- e a Alemanha) e visa, em troca de um levantamento progressivo das sanções internacionais, assegurar que o Irão não desenvolve armas nucleares.

 

Conseguido depois de 21 meses de duras negociações, o acordo foi assinado, por parte dos Estados Unidos, pelo antecessor de Trump, Barack Obama.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Pesquisem pelo vídeo "tradutores de direita o acordo nuclear com o Irã" para verem outro lado.

OPA ao BCP um SANTO REMEDIO Há 1 semana

o MASSA BRUTA agora depois da OPA da FOSUN ao MILENIUM BCP terá de ir shortar os cornos da sua querida mãezinha e os cornos do seu querido paizinho ; AGORA acabou - se a MAMA para o massinhas e para a sua CORJA do SHORTINHO

Anónimo Há 1 semana

Em matéria de "rasga contratos" ninguém ensina nada ao Costa, ainda recentemente forçou uma lei para "roubo de terras". Valeu o bom senso do PCP caso contrário tinha-mos o país entregue aos "Campos".

Anónimo Há 1 semana

Sr. PR, fique ciente que tem uns dos governos mais "rasga contratos" que há memória. As pessoas investiram em pinhal, agora dum momento para outro criam leis para o arrancar.

ver mais comentários
pub