Política Passos admite voto no PS, BE e PCP se a estratégia do PS funcionar

Passos admite voto no PS, BE e PCP se a estratégia do PS funcionar

O líder do PSD ficará surpreendido se a estratégia do PS resultar e se isso acontecer recomendará o voto nos partidos de esquerda. Passos Coelho esteve em entrevista na SIC, no dia em que apresentou a moção de recandidatura à liderança do PSD.
Passos admite voto no PS, BE e PCP se a estratégia do PS funcionar
Liliana Borges 01 de março de 2016 às 22:33
O antigo primeiro-ministro, que agora se recandidata à liderança do Partido Social Democrata (PSD), espera que "o Governo lá possa estar estes quatro anos", mas duvida que a estratégia orçamental do Partido Socialista (PS) funcione. Caso funcione, o líder do maior partido da oposição, Pedro Passos Coelho, "passaria a defender o voto no PS, Bloco de Esquerda e PCP". Esta foi a garantia dada por Passos Coelho esta terça-feira, 1 de Março, em entrevista à SIC, no dia em que apresentou a sua moção de recandidatura à liderança do PSD,  que realiza eleições directas no próximo sábado, 5 de Março, e reúne em congresso em Espinho a 1, 2 e 3 de Abril. 


"Se pudéssemos todos, sem dinheiro, devolver salários, pensões e impostos, e no fim as contas batessem todas certo, isso seria fantástico", afirmou o ex-primeiro ministro, que aproveitou para deixar alguns avisos. "Quando voltamos aos velhos hábitos é muito possível que os resultados possam não ser bons como foram no passado", alertou, em resposta ao jornalista da SIC Anselmo Crespo, que o questionava sobre a eficácia e resultado da estratégia apresentada pelo partido do Governo. 

"O que os governos mais gostam é de poder ter políticas que agradem aos seus eleitores", afirmou. No entanto, "para poder devolver os salários todos num ano e cumprir as metas, ou há um milagre, ou há consequências", analisou Pedro Passos Coelho. O recandidato à liderança do PSD colocou as consequências possíveis em cima da mesa e disse que as alternativas passarão depois pelo corte na despesa, "e isso não é fácil a meio do ano", ou pelo aumento dos impostos, "e isso não é bom para a economia, a não ser em situações excepcionais onde não há alternativa".

Passos remeteu a sua posição para "líder da oposição" e sublinhou que está "muitíssimo bem nesse papel", destacando que "não estou a fazer conta que sou primeiro-ministro".

O antigo primeiro-ministro considerou que "Portugal não precisa de andar sempre em eleições" e, por isso, afirmou esperar que o Governo se mantenha durante os próximos quatro anos. "S
eria muito mau sinal que isso não acontecesse", acrescentou, recordando que o actual primeiro-ministro, António Costa, garantiu que apenas inviabilizaria um Governo PSD/CDS se garantisse uma alternativa governativa duradoura.

"Adivinho que possa haver alguns focos de tensão, mas isso é uma matéria que tem de ser resolvida no seio da maioria", considerou. "O PCP e o Bloco de Esquerda são partidos que não estão habituados a Governar e acham que é mais fácil estar de fora e criticar". Mas agora, destaca presidente social-democrata, "o PCP e BE, como estão a apoiar um Governo, terão de resolver essas contradições".



(Notícia actualizada às 22:40)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI