Política Passos: Se DBRS baixar “rating” de Portugal, terá de haver novo resgate

Passos: Se DBRS baixar “rating” de Portugal, terá de haver novo resgate

Passos Coelho considera que a manutenção da única notação de crédito em nível de investimento, da DBRS, é essencial para evitar um novo resgate. Mas o PS parece estar a fazer tudo para que o “rating” baixe, lamenta.
Passos: Se DBRS baixar “rating” de Portugal, terá de haver novo resgate
Paulo Duarte
Bruno Simões 02 de abril de 2016 às 00:08

Passos Coelho deixou um apelo ao Governo para que deixe de "desafiar" os alertas e opiniões das agências de rating, em especial da DBRS, a única agência que dá uma notação de investimento à dívida portuguesa. O presidente do PSD lembrou uma entrevista recente de um dos responsáveis da agência para avisar que as reversões do Governo podem levar o "rating" a baixar. E se isso acontecer, Portugal "dificilmente escapará a um novo pedido de ajuda externa".

 

Passos citou várias passagens da entrevista que Fergus McCormick, responsável máximo pelos ratings soberanos da DBRS, concedeu ao Observador esta semana. Em concreto, a parte em que o responsável sublinhou que Portugal tem um "grau de estabilidade" que "justifica um rating de qualidade" por causa do "enorme ajustamento do saldo orçamental" atingido desde a crise. McCormick diz ainda que o rating se mantém "por causa das várias medidas de carácter estrutural que foram aplicadas" ou da "recuperação significativa nas exportações"

 

Para Passos Coelho, é importante "reter que esta agência faz depender a qualificação da dívida portuguesa do esforço de consolidação e do esforço reformista". Sucede que "o Governo tem decidido adoptar uma postura exactamente desafiadora destes alertas e destas opiniões. E tem adoptado uma política que só pode aumentar os riscos a que os portugueses podem ser expostos, ao reverter reformas estruturais do passado que justificaram esta qualificação" e "muito daquilo que representa a nossa esperança para podermos ser ainda mais ambiciosos no futuro".

 

"O actual Governo e a actual maioria não se importam de impor riscos que julgo que são desnecessários aos portugueses, e vão construindo um mau exemplo para a sociedade. Não pode ser bom Governo o que assume como principal prioridade reverter o que de estrutural foi feito pelo anterior" Executivo, criticou. "Chamar a isto progresso ou desenvolvimento é uma mistificação", disse ainda Passos Coelho.

 

"Se todos adoptássemos uma atitude idêntica, nunca estaríamos a olhar para o futuro, estaríamos sempre a regressar ao passado", atirou, numa crítica apontada a António Costa.

Sem rating de investimento, BCE deixa de aceitar dívida como colateral

A DBRS atribui a Portugal uma notação BBB, de nível de investimento e apenas um degrau acima de "lixo". É essencial que exista pelo menos uma notação de nível de investimento para que o BCE aceite a dívida portuguesa como colateral dos empréstimos que concede aos bancos. Sem possibilidade de utilizar os títulos de dívida como colateral, os bancos teriam de encontrar um activo alternativo, algo que seria impossível sem nenhuma intervenção pública.

Acresce que, sem um rating de investimento, o BCE também poderia suspender a compra de dívida pública portuguesa. A notação da DBRS vai ser revista a 29 de Abril.

Todas as outras agências de rating (Fitch, Standard&Poor's e Moody's) atribuem à dívida portuguesa um rating de "lixo".




pub

Marketing Automation certified by E-GOI