Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Plenários da Assembleia da República tiveram média de 16 "faltosos" por sessão

Em média, 16 dos 230 deputados com assento na Assembleia da República (7%) faltaram a cada uma das reuniões magnas da última sessão legislativa, num total de 1.634 ausências entre 16 de Setembro de 2013 e 25 de Julho.

Bruno Simão/Negócios
Lusa 10 de Agosto de 2014 às 15:34
  • Partilhar artigo
  • 11
  • ...

De acordo com dados da Assembleia da República e tendo em conta os parlamentares actualmente em funções, os partidos mais representados tiveram deputados menos assíduos nesta terceira sessão legislativa - reflexo também da quantidade superior de mandatos.

 

O BE foi o partido mais "presente", o CDS-PP mais "ausente".

 

Dois dos oito bloquistas tiveram 100% de assiduidade, ou seja, um quarto (25%) daquele grupo parlamentar - o líder, Pedro Filipe Soares, e a deputada Cecília Honório.

 

Já entre os 24 tribunos do CDS-PP, segundo partido da maioria, só dois atingiram o pleno -- Pedro Morais Soares e João Paulo Viegas -, correspondendo a 8% da bancada centrista, embora a reduzida dupla ecologista de "Os Verdes" também não tenha estado em todas as reuniões magnas (11 faltas totais, em 210 possíveis).

 

O partido com mais assentos parlamentares, PSD, teve 15 dos seus 108 parlamentares "em pleno" (14%), percentagem igual à do PCP (dois dos seus 14 deputados estiveram em todas as sessões), ao passo que o maior partido da oposição, o PS, apresenta um valor mais baixo (12%), pois só nove dos seus 74 representantes conseguiram corresponder a todas as chamadas.

 

Em termos globais e deixando de fora os deputados que assumiram outras funções ou suspenderam os respectivos mandatos, o PSD lidera o 'ranking', já que também tem mais mandatos (108), com 765 faltas, seguido do PS, com 603 faltas (74 mandatos). CDS-PP, PCP, BE e PEV confirmam a tendência: 171, 55, 29 e 11 faltas.

 

A recordista de faltas do período entre 16 de Setembro de 2013 e 25 de Julho de 2014 foi a deputada do PS Glória Araújo: 70 faltas justificadas, das quais 46 por "doença", 16 por ter sido mãe, sete em "assistência familiar" e uma por motivos de "força maior".

 

Segundo o n.º2 do artigo 8.º do estatuto dos parlamentares, "considera-se motivo justificado a doença, o casamento, a maternidade e a paternidade, o luto, a força maior, a missão ou o trabalho parlamentar e o trabalho político ou do partido a que o deputado pertence, bem como a participação em actividades parlamentares". O n.º 4 do mesmo artigo estipula que, "em casos excepcionais, as dificuldades de transporte podem ser consideradas como justificação de faltas".

 

Outro socialista, João Soares, foi o segundo dos eleitos pelos portugueses que mais faltou - ainda que justificadamente - aos plenários de São Bento: ausente de 45 reuniões magnas, também por "doença" (25), "missão parlamentar" (18) e "trabalho político (duas).

 

Nos terceiro e quarto lugares do "mapa de faltas" surgem os sociais-democratas Carlos Páscoa Gonçalves e Mendes Bota, respectivamente com 37 e 36 faltas, esmagadoramente justificadas por "trabalho político" ou "missão parlamentar".

 

A deputada do PSD Maria João Ávila faltou 33 vezes também por aquelas razões. Ambos com 29 faltas, a democrata-cristã Isabel Galriça Neto, embora com 10 ausências por "doença", e o antigo presidente da Assembleia da República, o social-democrata Mota Amaral figuram igualmente no topo da lista.

Ver comentários
Saber mais Assembleia da República PSD CDS-PP PS PCP BE Os Verdes parlamento política
Outras Notícias