Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

PS, Bloco e PCP trabalham num acordo a três

O Partido Socialista voltou a reunir-se esta quinta-feira com PCP e Bloco de Esquerda, separadamente, mas o acordo é para ser feito a três, garantem fontes dos partidos.

No final do encontro, o secretário-geral do PS defendeu que Passos Coelho não deve ser indigitado como primeiro-ministro, por não ter condições de encontrar uma solução maioritária no actual quadro parlamentar'.
Miguel Baltazar/Negócios
  • Assine já 1€/1 mês
  • 39
  • ...

O acordo que o Partido Socialista, Bloco de Esquerda e Partido Comunista Português estão a preparar será feito a três, garantiram ao Negócios fontes socialistas e bloquistas. Apesar das negociações estarem a ser feitas de forma separada, e com metodologias e ritmos diferentes, o acordo final será único e assinado pelas três partes.

Hoje os três partidos voltaram a reunir-se, separadamente, procurando limar as últimas arestas do acordo. Nas reuniões com o PCP e Bloco estiveram em cima da mesa os temas pendentes que ainda carecem de entendimento total entre as partes: o IVA da electricidade; as privatizações, onde se destaca a TAP, e concessões de empresas públicas. Outro tema que esteve em análise foi a reforma do IRC, que inicialmente mereceu o acordo do PS, quando era liderado por António José Seguro, mas o partido acabou por se afastar destes compromissos, já com a liderança de Costa.

Há já vários temas fechados nas negociações entre os partidos. Os salários do Estado serão repostos integralmente em 2016, mas a um ritmo trimestral e não de uma só vez como desejavam PCP e Bloco. As pensões serão todas descongeladas, mas a dimensão da actualização não deverá ser igual para todas. Quanto à descida da TSU para as entidades empregadoras, o PS teve que ceder e deixá-la cair.

O acordo que o Partido Socialista (PS), Bloco de Esquerda (BE) e Partido Comunista Português (PCP) estão a preparar será feito a três, garantiram ao Negócios fontes socialistas e bloquistas. Apesar das negociações estarem a ser feitas de forma separada, e com metodologias e ritmos diferentes, o acordo final será único e assinado pelas três partes.

Esta quinta-feira, segundo a Lusa, António Costa precisou aos deputados socialistas que se trata de um acordo de incidência parlamentar. De acordo com as fontes citadas pela agência, António Costa disse que as negociações com o Bloco de Esquerda estão praticamente concluídas e com o PCP poderá fechá-las em breve, estando no caso dos comunistas apenas em causa uma questão de calendário.

Ver comentários
Saber mais Partido Socialista Bloco de Esquerda Partido Comunista Português PCP Bloco PS TAP António José Seguro TSU Bloco de Esquerda BE António Costa
Mais lidas
Outras Notícias