Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

PS: “Não há memória” de um ministro de Estado “humilhar publicamente” o seu primeiro-ministro

Partido Socialista vai votar contra a taxa que o Governo equaciona implementar sobre os pensionistas, afirmou João Ribeiro, considerando que existe uma “crise política muito grave” no Governo, que “mergulhou o País num pântano político”.

Bruno Simão/Negócios
Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 06 de Maio de 2013 às 13:38
  • Assine já 1€/1 mês
  • 74
  • ...

O Partido Socialista classifica de “muito grave” o que se passou em Portugal nas últimas 72 horas, com o primeiro-ministro a anunciar medidas e o ministro de Estado a mostrar-se contra uma delas dois dias depois.

 

Paulo Portas “desautorizou” o primeiro-ministro em duas matérias – taxa sobre as pensões e Documento de Estratégia Orçamental - onde Portugal se comprometeu com o exterior, assinalou o porta-voz do partido.

 

João Ribeiro compara o que se passou a uma “moção de censura” dentro do Governo, que está “dividido e sem credibilidade” e “mergulhou o país num pântano político”.

 

Acusando o Governo de estar em crise política “permanente desde Setembro de 2012”, o porta-voz do PS questionou a autoridade de Passos Coelho para pedir consensos com o PS e para responder perante os credores.   

 

O “Governo comprometeu Portugal sem ter consenso dentro do Governo”, disse João Ribeiro, questionando que quando o primeiro-ministro falar ao País, ninguém “o pode levar a sério, sem antes ouvir Paulo Portas”.

 

Um “ministro de Estado a humilhar publicamente o seu primeiro-ministro. Não há memória” em Portugal e os portugueses “não merecem” esta crise política. “Lançar tanta incerteza é inaceitável e brincar com a vida das pessoas”, disse João Ribeiro, referindo-se à indefinição sobre a taxa que está a ser equacionada sobre os pensionistas, que merecerá o voto contra do PS se chegar ao Parlamento.

 

João Ribeiro lembrou que o primeiro-ministro prometeu não despedir um único funcionário público e agora avança com “cortes cegos, em nome de uma obsessão ideológica”, que “vai agravar vida de todos os portugueses”.

 

Para o mesmo responsável, este Governo “não tem credibilidade e não gera confiança” aos portugueses.

Ver comentários
Saber mais PS Paulo Portas Passos Coelho política João Ribeiro
Mais lidas
Outras Notícias