Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ribeiro e Castro diz que Presidente da República foi "sério e rigoroso"

O deputado do CDS José Ribeiro e Castro considerou hoje que o discurso do Presidente da República foi "sério e rigoroso", alertando os portugueses para a situação que o país atravessa e para as responsabilidades dos atores políticos.

Ribeiro e Castro pondera desafiar partidos a restaurar o 1º de Dezembro
Lusa 11 de Julho de 2013 às 11:47
  • Assine já 1€/1 mês
  • 40
  • ...

"Tal como toda a gente, dava certo que o Presidente da República iria aceitar a proposta do Governo mas isso não aconteceu", disse Ribeiro e Castro à agência Lusa, referindo que "a demissão de Paulo Portas e a forma como o fez extinguiu, interrompeu a legitimidade política suficiente da maioria parlamentar e levou o Presidente a ir contra aquilo que foi sempre o seu padrão: não aceitar pela primeira vez uma proposta da maioria".

 

Segundo o ex-líder do CDS, o Presidente não aceitou a proposta da maioria por achar que esta "já não tem condições de consistência, credibilidade e solidez", que considera indispensável para tarefas difíceis nesta fase final do programa de ajustamento.

 

O Presidente da República disse na quarta-feira que o actual Governo se encontra em "plenitude de funções" e defendeu um "compromisso de salvação nacional" de médio prazo entre PSD, PS e CDS que permita cumprir o programa de ajuda externa.

 

Cavaco Silva adiantou que esse acordo deve prever eleições antecipadas a partir de Junho de 2014 e anunciou que vai chamar "de imediato" a Belém os líderes do PSD, Pedro Passos Coelho, do CDS-PP, Paulo Portas, e do PS, António José Seguro.

 

"Da crise da semana passada resultou que o Presidente considera que estamos no fim da legitimidade politica parlamentar suficiente da maioria e há dois sinais que são claros na comunicação: primeiro ao não aceitar a proposta apresentada pela maioria e segundo ao marcar o fim da legislatura com o anúncio de eleições para 2014, que dá entender que só não convoca eleições antecipadas por causa da situação periclitante em que está o país", sublinhou.

 

Na opinião do político centrista, no discurso de Cavaco Silva estão todas "as referências fundamentais para extrair soluções de saída".

 

O deputado disse também compreender que o Presidente fale de um acordo circunscrito aos três partidos que subscreveram o memorando, mas acha que o apelo deve ser feito os todos os partidos sem excepção.

 

"Nenhum partido, incluindo PCP e BE, estão exonerados do dever de colaborarem nas medidas e na criação de condições patrióticas de salvação nacional. Existe uma responsabilidade mais acentuada dos partidos que subscreveram o memorando, mas o apelo deve ser feito a todos", sublinhou.

 

Ribeiro e Castro defendeu ainda que o PS deve ter um comportamento mais responsável enquanto partido do Governo que "trouxe o país à situação difícil em que está".

 

"Apesar de estar na oposição, o PS também subscreveu o memorando de entendimento e, por isso, deve ter algum grau de corresponsabilidade na consecução dos seus objectivos fundamentais", frisou.

 

Questionado sobre se Paulo Portas ainda tem condições para estar à frente do CDS, Ribeiro e Castro remeteu para mais tarde a sua opinião sobre o assunto.

Ver comentários
Saber mais Ribeiro e Castro Presidente da República crise política
Outras Notícias