Política Seguro diz que PS vai lutar pelas suas ideias mesmo sem acordo

Seguro diz que PS vai lutar pelas suas ideias mesmo sem acordo

O líder socialista, António José Seguro, disse hoje que o PS vai "lutar pelas suas ideias", apesar de não ter celebrado com os partidos do Governo o acordo de "salvação nacional" defendido pelo Presidente da República.
Seguro diz que PS vai lutar pelas suas ideias mesmo sem acordo
Bruno Simão/Negócios
Lusa 21 de julho de 2013 às 18:48

"Não é por não se ter chegado a um acordo que o PS agora deixa de lutar pelas suas ideias, pelas suas propostas", salientou o secretário-geral do PS, em Penacova, distrito de Coimbra, onde os socialistas comemoraram hoje o Dia da Federação distrital.

 

Após a ruptura das negociações entre o PS, o PSD e o CDS, "mais do que um desacordo, os portugueses sabem que há dois projectos distintos, que há duas propostas alternativas", acrescentou. "Há uma proposta que corresponde à política de austeridade, que não resolveu nenhum problema no nosso país, nem de défice, nem de dívida, bem pelo contrário", vincou, criticando os dois anos de governação do executivo de Pedro Passos Coelho e Paulo Portas.

 

Durante as negociações da última semana, o PS apresentou "uma alternativa que preconiza um novo rumo para Portugal, que passa por estabilizar a nossa economia", disse António José Seguro. "Sabemos que não temos os votos suficientes na Assembleia da República para o podermos fazer, mas temos a maioria do povo português de acordo com as nossas ideias e propostas", admitiu.

 

O PS advertiu, "desde o início, que o caminho que o Governo tinha escolhido era um caminho errado, que conduzia ao empobrecimento", afirmou António José Seguro, prometendo que os socialistas vão continuar a lutar pelas suas propostas. "Nestes dois anos, não ficámos de braços cruzados a protestar, não ficámos à espera de quanto pior melhor, bem pelo contrário. Fomos uma oposição responsável e construtiva", referiu.

 

Na última semana, sublinhou, "em nome do interesse nacional dissemos 'sim' ao Presidente da República, quando propôs um diálogo" com os partidos políticos. "Como poderíamos ter recusado, se era o nosso país que estava em causa? Se são os portugueses e a sua vida que estão em causa?", perguntou.

 

O secretário-geral do PS disse que os socialistas fizeram "tudo, mas tudo, para chegar a num compromisso", mas "não para aceitar um acordo qualquer" com o PSD e o CDS. "Não podemos aceitar a continuidade destas políticas que, ao longo destes dois últimos anos, apenas empobreceram Portugal e criaram mais crise", disse.

 

Na sessão em que foram apresentados os candidatos socialistas às autárquicas de 29 de Setembro em Penacova, intervieram também, entre outros, o presidente da Câmara Municipal, Humberto Oliveira, que se recandidata ao cargo, o vereador e presidente da Concelhia do partido, Ricardo Ferreira, e o presidente da Federação de Coimbra, Pedro Coimbra, que se recandidata à presidência da Assembleia Municipal.

 

No final, António José Seguro não quis prestar quaisquer declarações aos jornalistas.




Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI