Política Sondagem: Marcelo perde gás mas ainda ganha presidenciais à primeira volta

Sondagem: Marcelo perde gás mas ainda ganha presidenciais à primeira volta

Marcelo Rebelo de Sousa ainda é o favorito a vencer as eleições presidenciais de 24 de Janeiro de 2016. De acordo com a sondagem da Aximage, o ex-presidente do PSD recolhe 54,6% das preferências de voto, uma ligeira queda face a Novembro.
Sondagem: Marcelo perde gás mas ainda ganha presidenciais à primeira volta
Bruno Simões 09 de dezembro de 2015 às 07:00

As eleições presidenciais do próximo mês deverão ficar decididas à primeira volta, e o vencedor será Marcelo Rebelo de Sousa. De acordo com a sondagem de Dezembro da Aximage para o Negócios e o Correio da Manhã, o ex-comentador recolhe 54,6% das preferências dos 605 inquiridos. É um resultado ligeiramente pior que o da sondagem de Novembro, que lhe atribuía 56,9% das intenções de voto. Mas ainda assim é um resultado suficiente para vencer logo à primeira volta.

 

Maria de Belém e António Sampaio da Nóvoa estão muito longe de Marcelo, embora muito próximos um do outro, com a ex-ministra a seguir à frente, com 13,4% das intenções de voto, e o ex-reitor a recolher 13,2%. Ambos registam também um resultado pior que o de Novembro, em que obtiveram ambos 15,3% das preferências dos inquiridos.

 

Nenhum dos três candidatos preferidos dos inquiridos tem apoio oficial de nenhum partido. A primeira candidata nessas condições é Marisa Matias. Apoiada pelo Bloco de Esquerda, a eurodeputada sobe face a Novembro e obtém 2,4% das intenções de voto e é a quarta preferida dos inquiridos. Edgar Silva, o candidato apoiado pelo PCP, desce ligeiramente para 1,9% das intenções de voto (tinha 2,1% no mês passado).

 

Paulo Morais, com 1,1%, e Henrique Neto, com 0,4% das preferências dos inquiridos, ocupam os últimos lugares. De acordo com o estudo da Aximage, ainda há 13% de indecisos. A abstenção sobe e cifra-se em 37,7%, acima dos 34,1% de Novembro.

 

Marcelo é o preferido de todos – menos do PCP

 

Marcelo soma à preferência do eleitorado uma claríssima dinâmica de vitória – questionados sobre quem acham que vai ganhar as eleições, 76,6% dos inquiridos consideram que será Marcelo Rebelo de Sousa. Maria de Belém, com 5%, e António Sampaio da Nóvoa, com 3%, estão a uma distância que parece inalcançável.

 

Acresce que Marcelo Rebelo de Sousa é o candidato preferido de todos os partidos, à excepção do PCP. Na segmentação pela intenção de voto legislativo, o professor catedrático de Direito é o candidato preferido dos inquiridos que votaram PSD, PS, CDS e até Bloco de Esquerda, segundo a sondagem da Aximage. Só os eleitores que votaram no PCP é que escolhem maioritariamente o seu candidato, Edgar Silva.

 

É também de Marcelo a melhor campanha, respondem 43,2% dos inquiridos. Neste particular, Sampaio da Nóvoa logra o segundo lugar, com 8% dos inquiridos a considerarem que o ex-reitor é quem tem feito a melhor pré-campanha para convencer os indecisos e os abstencionistas. Maria de Belém fica em terceiro lugar, com 5,8%.

FICHA TÉCNICA 

Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel.

Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 605 entrevistas efectivas: 281 a homens e 324 a mulheres; 57 no Interior Norte Centro, 86 no Litoral Norte, 102 na Área Metropolitana do Porto, 107 no Litoral Centro, 168 na Área Metropolitana de Lisboa e 85 no Sul e Ilhas; 99 em aldeias, 160 em vilas e 346 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral.

Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido entre os dias 28 de Novembro e 2 de Dezembro de 2015, com uma taxa de resposta de 82,7%.

Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 605 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma "margem de erro" - a 95% - de 4,00%).

Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.






pub