Política Toda a esquerda vai apoiar moção de censura do PS

Toda a esquerda vai apoiar moção de censura do PS

O PCP e o Bloco de Esquerda admitiram que vão aprovar a moção de censura que o PS vai apresentar, em data ainda a acertar. Se todos os deputados estiverem presentes, o Governo terá 98 votos contra. Porém, o PSD, sozinho, tem 108 deputados.
Toda a esquerda vai apoiar moção de censura do PS
Bruno Simões 22 de março de 2013 às 12:29

O secretário-geral do PCP foi o primeiro a manifestar apoio à moção de censura dos socialistas, que, se aprovada, faz cair o Governo. “Todas as iniciativas que visem a derrota deste Governo terão com certeza o apoio do PCP. É tempo deste Governo apressar o seu fim. Para isso lutaremos para um futuro melhor”, asseverou Jerónimo de Sousa, no debate quinzenal desta manhã.

 

A coordenadora do Bloco de Esquerda sublinhou que, desde que apresentou, em Outubro do ano passado, uma moção de censura conjunta com o PCP, a situação só se agravou. “Se há seis meses tínhamos razão para censurar o Governo, 100 mil novos desempregados depois a conclusão só pode ser a mesma”, destacou. O PCP e o Bloco não podem apresentar novas moções nesta sessão legislativa, mas o PS ainda não tinha apresentado nenhuma.

 

O apoio do PCP surge mesmo depois de os socialistas terem rejeitado, esta manhã, apoiar o projecto de resolução comunista que aconselha o Governo a demitir-se. Jorge Lacão, deputado socialista, justificou o voto contra por se tratar de uma moção de censura “envergonhada”. Além do PS, também o PSD e o CDS chumbaram o projecto de resolução dos comunistas.

 

PSD tem mais dez votos que toda a esquerda junta

 

Com os votos de toda a esquerda, incluindo Os Verdes, que costumam alinhar com o PCP, a moção de censura soma 98 votos. Para ser aprovada precisa de obter maioria, ou 116 votos. Só o PSD tem 108 deputados, o que equivale a igual número de votos. O CDS tem 24 parlamentares. Para o documento ser aprovado, era preciso que 18 deputados do CDS e do PSD se associassem à esquerda.

 

Luís Montenegro, líder da bancada do PSD, garantiu, contudo, que pelo menos no PSD a rejeição da moção vai ser “absoluta”. Nuno Magalhães, que preside à bancada centrista, sustentou que o que os portugueses precisam é de “soluções, não é de moções”.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI