Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

"Vontade de mudança", diz António Costa. "Um dia tristemente histórico", diz Nuno Magalhães

A eleição do presidente da Assembleia da República, segundo figura do Estado, foi o primeiro braço de ferro entre a direita e a esquerda no Parlamento. A direita saiu derrotada.

Filomena Lança filomenalanca@negocios.pt 23 de Outubro de 2015 às 18:03
  • Assine já 1€/1 mês
  • 132
  • ...

"A Assembleia da República expressou de forma inequívoca a maioria da vontade dos portugueses para que esta 13ª legislatura seja marcada desde o início pela mudança", afirmou esta sexta-feira, 23 de Outubro, o líder socialista no Parlamento.

 

António Costa falava na sequência da eleição de Eduardo Ferro Rodrigues para a presidência do Parlamento, naquela que foi a primeira prova de força da esquerda face ao governo minoritário da direita que o Presidente da República anunciou quinta-feira à noite.  

 

Ferro Rodrigues foi eleito com 120 votos, o que significa que apenas dois deputados de entre os que compõem as bancadas do PS, do PCP e do BE não votaram nele. Uma contabilidade importante até porque permite já antecipar, de alguma forma, o que vai acontecer no Parlamento daqui para a frente, mesmo perante um PS em que continua a haver vozes discordantes quanto ao caminho a tomar.

 

António Costa não passou ao lado desse tema: "É muito importante que esta primeira votação tenha sido feita por voto secreto. É uma votação que assegura a mais pura liberdade", disse, acrescentando que "não há disciplina de voto, há consciência e liberdade no momento do voto, que depende só da vontade de cada um".

Em democracia o mérito não se apura pelo resultado dos votos
António Costa

Dirigindo-se a Fernando Negrão, o perdedor desta eleição no Parlamento, Costa salientou ainda que "em democracia o mérito não se apura pelo resultado dos votos", mas sim pela "qualidade, a convicção e dignidade com que cada um trata o combate político". "Prezamos muito a nossa liberdade, que não é manipulável por qualquer força que queira bloquear a mudança que os portugueses votaram", afirmou ainda, numa clara alusão ao discurso de Cavaco Silva.

 

"Quebrou-se uma regra com 40 anos"

 

À direita, Ferro Rodrigues não foi claramente recebido com o mesmo entusiasmo. Foi evidente a clivagem entre esquerda e direita e Nuno Magalhães, do CDS-PP, resumiu o espírito nas duas bancadas: "Este é um dia tristemente histórico".

 

Tanto o CDS como o PSD insistiram que acabou de se "quebrar uma tradição de 40 anos", segundo a qual preside ao Parlamento o deputado indicado pela força que ganhou as eleições. Nuno Magalhães deu mesmo o exemplo de Jaime Gama, que "obteve 204 votos em 230" numa legislatura quem que o PS era minoritário no Parlamento.

 

"Entendemos este facto como um facto negativo e sabemos ler a motivações de quem está disponível para quebrar regras e tradições", afirmou, rematando para ferro Rodrigues: "Não estou certo de que vestiu o fato de presidente da AR".

 

Cabe a todos nós a responsabilidade de aceitar a decisão do povo soberano que expressou a sua vontade nas ultimas eleições
Luís Montenegro

Montenegro, que interviera poucos minutos antes, lamentou também a eleição de Ferro "em confronto" com a regra habitual. "Em democracia, quando há eleições, quem tem mais votos ganha e quem tem menos votos perde, e constitui-se como oposição", prosseguiu.

 

"Estamos a iniciar uma legislatura de grande exigência e complexidade" e "os tempos que nos esperam não são tempos fáceis", prosseguiu Montenegro, salientando que "cabe a todos nós a responsabilidade de aceitar a decisão do povo soberano que expressou a sua vontade nas ultimas eleições". E o povo, afirmou, "escolheu o programa da coligação para servir de base à acção governativa".

 

"O povo também fez uma outra escolha. Escolheu Pedro Passos Coelho para ser primeiro-ministro e liderar o governo. E atribuiu a todos a responsabilidade de não estragarmos tudo aquilo que fomos capazes de conquistar nos últimos anos. Respeite-se a vontade do povo", rematou. 

 

Ver comentários
Saber mais Assembleia da República António Costa Eduardo Ferro Rodrigues Parlamento Presidente da República PS PCP BE Fernando Negrão Cavaco Silva Nuno Magalhães Jaime Gama Pedro Passos Coelho
Outras Notícias