Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Rui Moreira à beira da maioria absoluta no Porto

A sondagem da Aximage antecipa uma batalha entre o independente, PS e Bloco pelo 13.º vereador, que dispensaria negociações pós-eleitorais. PSD afunda para mínimo histórico e já só está três pontos à frente da CDU.

António Larguesa alarguesa@negocios.pt 22 de Setembro de 2017 às 07:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 23
  • ...

O número 13 promete ser de sorte ou de azar nas autárquicas do Porto, mediante a perspectiva das candidaturas. De acordo com a sondagem da Aximage para o Negócios e Correio da Manhã, a grande dúvida para a noite eleitoral na cidade reside na atribuição do 13.º e último mandato, que "está dependente do sentido de abstenção e do voto dos indecisos". Se cair para o movimento de Rui Moreira (39,9%), o actual autarca vence com maioria absoluta esta votação em que a abstenção deve rondar os 49%, um ponto acima da verificada em 2013.

Apesar de as eleições na Invicta serem pródigas em surpresas – basta recordar as derrotas do socialista Fernando Gomes em 2001, que deu a primeira maioria a Rui Rio, e a do também favorito Luís Filipe Menezes há quatro anos –, esta "dinâmica de vitória" parece sólida. Independentemente do sentido de voto, 65,5% dos inquiridos pensam que Moreira vai mesmo ganhar a 1 de Outubro – são menos de 10% a confiar na vitória do PS ou do PSD – e a maioria dos portuenses acha que até governou melhor do que o antecessor.

Com metade (20,8%) das intenções de voto face ao empresário apoiado pelo CDS e pelo MPT, com quem se coligou na ressaca das últimas autárquicas, para a Câmara, ao PS parece restar a aspiração de roubar um vereador ao PSD – está entre três e quatro – e evitar assim que o antigo parceiro de governação controle o renovado Executivo sem precisar de negociar com a oposição. Ainda que pareça um fraco consolo para quem partiu para esta corrida de acordo assinado com o movimento "O Nosso Partido é o Porto", desfeito com estrondo em Maio.

A confirmarem-se nas urnas estas indicações, obtidas em entrevistas feitas entre 16 e 19 de Setembro a 600 dos 214.270 mil eleitores inscritos no concelho, Manuel Pizarro não será capaz de impedir a sexta perda consecutiva de votação para os socialistas, iniciada em 1993. Sem fazer a distribuição dos 5,6% de indecisos pelas candidaturas, este estudo de opinião indica uma votação inferior aos 22,7% obtidos há quatro anos, que foram então o pior resultado de sempre.

Com Ilda Figueiredo (8,9%) garantida na próxima vereação, nesta distribuição, o Bloco de Esquerda (5,3%) é o terceiro prato onde pode cair o disputado vereador, que seria o primeiro do partido no município. Depois de já ter tentado em 2001, 2005 e 2009, o sociólogo João Teixeira Lopes, que há três meses rendeu João Semedo por doença do ex-coordenador, pode finalmente chegar ao cimo da Avenida dos Aliados.

Eclipse laranja

No derradeiro mandato de Rui Rio tinha sete, com Luís Filipe Menezes caiu para três e com Álvaro Almeida baixa para dois vereadores. Resultante de 11,8% das intenções de voto medidas pela Aximage, este é um desfecho inédito na história social-democrata no Porto, onde o partido sempre teve grande implantação e mora a sua maior distrital. Este economista que passou pelo FMI e liderou a Entidade Reguladora da Saúde, quase desconhecido até para o eleitorado local, renova o mínimo histórico de 2013 e, à partida para a campanha, está mais próximo de ser ultrapassado pela coligação de comunistas e Verdes do que da segunda força política.

Aliando este resultado à percentagem idêntica estimada para a candidatura em Lisboa, o PSD arrisca-se a ser relegado para terceiro lugar nas duas principais autarquias, pois uma sondagem recente da Católica colocou Teresa Leal Coelho atrás de Fernando Medina (30%) e Assunção Cristas (12%). Passos Coelho quer recuperar os 30 municípios perdidos em 2013 e eleger mais presidentes de Câmara do que o PS, mas já avisou que até pode vir a reclamar um "bom resultado" na noite eleitoral sem atingir essa meta.


Ficha técnica

 

Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais do Porto com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel. Amostra: aleatória e estratificada (freguesia, sexo, idade, escolaridade e voto autárquico) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 600 entrevistas efectivas: 261 a homens e 339 a mulheres. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral. Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido entre os dias 16 e 19 de Setembro de 2017, com uma taxa de resposta de 78,9%. Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 600 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma "margem de erro" – a 95% - de 4,00%). Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.





pelo paÍs fora

Cinco propostas para melhorar a mobilidade

A par da habitação, a mobilidade ameaça tornar-se o grande tema destas autárquicas e todos os candidatos desfiam críticas ao que existe e lançam promessas para o futuro. Lisboa e Porto dão o exemplo, mas a mobilidade está também na agenda dos candidatos de cidades mais interiores, como Braga ou Coimbra.

Lisboa
PSD quer barcos a percorrer frente ribeirinha
Teresa Leal Coelho quer facilitar a mobilidade na cidade de Lisboa "através da criação de uma rede de transportes públicos fluviais, colectivos e individuais, ao longo da frente ribeirinha, desde Algés até ao Parque das Nações". Esta é uma das ideias propostas no programa eleitoral do PSD para Lisboa anunciado esta semana. Outra das ideias é criar metro à superfície entre Cais do Sodré e Algés, passando em locais como Santos, Alcântara e Belém.

Porto
Há zonas caóticas, diz Pizarro
O candidato socialista à Invicta sustenta que ao nível da mobilidade há "zonas caóticas, que precisam de resposta urgente". Manuel Pizarro pretende avançar com "novas modalidades de transporte e de partilha de transporte", mas quer que a questão seja abordada ao nível metropolitano. "É preciso que as cidades se preparem para a mobilidade eléctrica, para os modos suaves, a pé ou de bicicleta" e que "as pessoas possam ter acesso  de forma confortável, segura e de partilhada", diz.

Braga
Mobilidade "mais amiga da cidade", pede o BE
Uma "mobilidade mais amiga da cidade", defende Paula Nogueira, candidata bloquista à Câmara de Braga que esta quinta-feira, 21, percorreu vários trajectos dos Transportes Urbanos de Braga e encontrou várias entropias. O "nó da estação" é um dos exemplos do mau funcionamento da articulação entre transportes, no caso o comboio, o autocarro e os automóveis, sendo que a zona se encontra "zona completamente degrada" e a pedir intervenção urgente.

Coimbra
"A13 tem de ir até Viseu", defende Jaime Ramos
O candidato à Câmara pela coligação Mais Coimbra (PSD/CDS-PP/PPM/MPT), Jaime Ramos, reiterou esta quinta-feira a necessidade de se prolongar a A13 até Viseu, considerando-a uma das obras rodoviárias mais importantes "para o país". Esta auto-estrada, que parou em Coimbra, é "em termos rodoviários,  a obra mais importante" para a cidade e é uma das mais importantes para o país", considera.

Grande Lisboa
CDU quer eléctrico rápido Oeiras-Loures
A CDU, que junta comunistas e ecologistas, apelou esta semana à necessidade de reinvestimento público nos transportes colectivos para facilitar a mobilidade, nomeadamente um projecto de eléctrico rápido entre Oeiras, Amadora, Odivelas e Loures. Jerónimo de Sousa afirmou, num comício na Amadora, que o problema da mobilidade e do direito ao transporte é "dramático para centenas de milhares de pessoas".

Ver comentários
Saber mais Política eleições autárquicas Porto sondagem Aximage maioria absoluta Rui Moreira Manuel Pizarro Álvaro Almeida Ilda Figueiredo Teixeira Lopes
Mais lidas
Outras Notícias