26 de maio de 2019 às 20:27
Leitura rápida às projeções

• O PS vence as segundas europeias consecutivas. Resta saber a margem do resultado, sendo que, em 2014, o agora primeiro-ministro António Costa considerou que a vitória por 3,75 pontos percentuais face à candidatura conjunta PSD-CDS tinha sido "poucochinho";

• O PSD (que há cinco anos concorreu com o CDS) arrisca-se a perder um eurodeputado. Em conjunto, PSD e CDS elegeram 7 eurodeputados em 2014, sendo que 6 eram sociais-democratas e um centrista. Agora, a lista liderada por Paulo Rangel pode manter os 6 eurodeputados ou perder um;

• Bloco substitui CDU como terceira força no Parlamento Europeu. Os bloquistas podem eleger os três eurodeputados conseguidos em 2014 pela CDU, mas tem certa a eleição de dois parlamentares, o que representa uma melhoria face a um único deputado eleito há cinco anos;

• A CDU perde um eurodeputado mas mesmo no pior cenário garante pelo menos dois deputados no plenário europeu;

• O CDS tem uma relevante derrota, não elege o segundo eurodeputado nem fica à frente dos dois partidos mais à esquerda (BE e PCP). Na projeção revelada pela SIC o resultado da lista liderada por Nuno Melo é ainda pior, já que centristas e o PAN ficam empatados;

• O PAN é um dos grandes vencedores: depois de se ter estreado na Assembleia da República em 2015, agora também se estreia no Parlamento Europeu (com Francisco Guerreiro, na foto), em ambos os casos com a eleição de um representantes. Com um "score" próximo daquele obtido pelo CDS, o partido de André Silva consolida uma posição no sistema partidário português;

• A esquerda cresce e a direita cai. O bloco constituído por PS, Bloco e CDU deve eleger mais eurodeputados do que em 2014, enquanto a direita (PSD e CDS) deverá perder pelo menos um mandato.