Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Costa diz a Passos que não quer integrar um Governo PSD/CDS

Não são lugares num eventual Governo que separam a coligação e o PS. O que está a dificultar um acordo é a “imperiosa necessidade” de “uma reorientação política”, que Passos e Portas persistem em não aceitar, diz Costa.

Miguel Baltazar/Negócios
  • Assine já 1€/1 mês
  • 157
  • ...

António Costa já respondeu ao convite de Passos Coelho para integrar um Governo de coligação alargada entre PSD, CDS e PS. Na carta que enviou esta segunda-feira, 19 de Outubro, ao líder do PSD, o secretário-geral socialista diz que o que separa as duas partes "não são lugares no Governo, que recusámos desde o início", mas sim a "imperiosa necessidade" de uma "reorientação de política" que PSD e CDS "persistem em não aceitar".

O líder socialista responde com um rotundo não ao convite de Passos Coelho, formulado este domingo, para que o PS fosse o "futuro membro de uma coligação de governo mais alargada, que inclua, além do PSD e do CDS, o próprio PS". Costa não só diz que não como acrescenta que nunca quis integrar um Executivo liderado por Passos Coelho.

Na missiva, António Costa recapitula toda a actuação dos socialistas desde o dia das eleições. Primeiro, garante que, logo na noite das eleições, a 4 de Outubro, o PS reconheceu "o legítimo primado de iniciativa do PPD/PSD como partido com maior representação parlamentar", e assegurou "uma atitude construtiva e de não obstaculização da sua acção governativa ou de inviabilização da formação de um governo de sua iniciativa, sem que houvesse uma alternativa real e credível".

 

Depois, e no âmbito do novo cenário político e de uma "expressiva vontade de mudança", Costa lembra que o "ónus" de criar condições de governabilidade cabia à coligação. E por isso, Costa reuniu-se com a coligação, primeiro no dia 9 de Outubro, uma reunião de três horas que Costa descreveu como um "vazio total", e depois 13 de Outubro, e solicitou um documento com informações financeiras que chegou a 12 de Outubro. Na carta de 16 de Outubro, o socialista diz que resumiu, incluindo com propostas concretas, aquilo que "traduz a vontade dos portugueses".

 

Passos respondeu a essa carta este domingo, mas Costa não gostou da resposta. Em vez de "analisar a minha carta, identificando os pontos de concordância e discordância, porventura até parcial, limita-se a rejeitá-lo em bloco, com o extraordinário argumento de serem as bases programáticas e as medidas constantes do programa do PS", acusa

 

"Mas o que esperava? Que propuséssemos as medidas do programa do PSD/CDS?", questiona Costa.

 

Costa ainda aguarda informação financeira da coligação 

A terminar, Costa diz que a carta de Passos nada acrescenta ao anterior documento discutido na reunião de dia 13, e que foi considerado "muito insuficiente". "Nada mais posso acrescentar", a não ser "insistir na necessidade de nos ser disponibilizado integralmente o conjunto de informação financeira" que foi solicitado "e que só foi parcialmente respondido".

 

Na carta que enviou este domingo, 18 de Outubro, a António Costa, Passos Coelho garantia que a coligação "não hesitou em que essa informação, no limite da sua disponibilidade, fosse fornecida sem demora".

A carta, de três páginas, está disponível no site do PS.

(Notícia em actualizada às 14h33 com mais informação)

Ver comentários
Saber mais António Costa Passos Coelho PS PSD CDS campanha eleitoral Governo
Mais lidas
Outras Notícias