Presidenciais Coelho foi segundo mais votado na Madeira e derrotou Cavaco no Funchal

Coelho foi segundo mais votado na Madeira e derrotou Cavaco no Funchal

José Manuel Coelho foi a grande surpresa, ao ser o segundo mais votado na Madeira e a vencer no Funchal.
Lusa 23 de janeiro de 2011 às 22:56
Cavaco Silva venceu hoje as presidenciais na Madeira obtendo 44,25%, com o candidato madeirense José Manuel Coelho a revelar-se como a grande surpresa, ao ser o segundo mais votado no arquipélago (38,82 por cento) e vencendo no Funchal.

Cavaco Silva venceu pela terceira vez na Madeira umas eleições presidenciais, enquanto que José Manuel Coelho teve uma votação que constituiu uma surpresa até para o seu "staff", tendo derrotado o actual Presidente da República em três dos 11 concelhos da região, designadamente Santa Cruz, Machico e Funchal.

Cavaco Silva obteve os votos de 50.447 residentes no arquipélago, num universo de 255.705 eleitores inscritos, sendo que nas presidenciais de 2006 obteve 58,47 por cento dos votos na Madeira.

Também em 1996, apesar de ter falhado a eleição para Belém, Cavaco Silva conseguiu derrotar na região Jorge Sampaio com 60,58 por cento dos votos validamente expressos (73.359), contra 49.041 (39,42) do seu principal adversário.

José Manuel Coelho derrotou em todos os concelhos da Madeira o candidato apoiado pelo PS, Manuel Alegre, que em 2006 conseguiu 15,72 por cento dos votos nesta região e hoje ficou-se pelos 6,67 por cento (7.368).

Em Santa Cruz, o concelho de onde é natural e onde reside, o candidato madeirense venceu em quatro das cinco freguesias e ficou separado de Cavaco por 2.043 votos. Em Machico teve mais 62.

Na capital madeirense teve 20.414 votos (41,45 por cento) e Cavaco 19.036 (38,65 por cento).

A investigadora da Universidade da Madeira, Diana Pimentel, considerou que o resultado de José Manuel Coelho neste ato eleitoral é "uma surpresa e uma demonstração da aplicação de um voto de protesto à política que vem sendo seguida nesta região".

Adiantou ser "uma posição conjuntural", admitindo que a visibilidade obtida por este candidato o possa "catapultar para outros actos eleitorais".

Quanto aos restantes candidatos, Fernando Nobre ficou em quarto lugar com 6,48 por cento (7.687 votos), seguido de Francisco Lopes com 1,98 por cento (2.346 votos) e Defensor Moura com 0,83 por cento (984 votos).

A abstenção nestas eleições foi superior a 53 por cento, tendo sido de 41,8 por cento nas presidenciais de 2006.