Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Inquilinos querem que Estado pague subsídios aos senhorios pobres

Em vez do Estado pagar subsídios aos inquilinos que não conseguem pagar as novas rendas, a Comissão dos Inquilinos das Avenidas Novas propõe que seja ao contrário e que sejam os proprietários pobres a serem directamente financiados

Bruno Simão/Negócios
Negócios com Lusa 28 de Setembro de 2016 às 16:50
  • Assine já 1€/1 mês
  • 15
  • ...
A Comissão dos Inquilinos das Avenidas Novas, em Lisboa, propôs esta quarta-feira no Parlamento que o Estado pague subsídios a senhorios que enfrentam dificuldades financeiras. 

Numa audiência com o grupo de trabalho de Habitação, Reabilitação Urbana e Políticas de Cidades, na Assembleia da República, Magda Fonseca reconheceu que não são só os inquilinos que têm dificuldades financeira e avançou com uma proposta nova: em vez do Estado financiar os inquilinos para que estes possam pagar as futuras rendas liberalizadas, a comissão propõe que o Estado pague os subsídios directamente aos senhorios. 

"Admitimos que também existam senhorios com dificuldades económicas. Nestes casos, o governo pode utilizar o regime de subsídios para suportar a diferença entre a renda actual e a que resultaria de uma renda calculada em função do valor do imóvel", disse aos deputados Magda Fonseca, da Comissão dos Inquilinos das Avenidas Novas. 


Na mesma audiência, a Comissão dos Inquilinos das Avenidas Novas, em Lisboa, propôs a prorrogação para 15 anos do período transitório para contratos de renda anteriores a 1990, em vez da proposta do PS de o prolongar em 10 anos.

"A nossa exigência é a prorrogação do prazo de transição para 15 anos, de forma a dar tempo para que a 'lei da vida' resolva o problema dos contratos anteriores a 1990", disse Magda Fonseca, citada pela Lusa.

O projeto de lei do PS pretende prolongar, de cinco para dez anos, o período transitório ao Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) para as lojas históricas e para as pessoas com mais de 65 anos e com carências económicas ou com incapacidade superior a 60%.

De acordo com Magda Fonseca, os pedidos de RABC [Rendimento Anual Bruto Corrigido] - inquilinos que alegam carência económica e pretendem ver a renda "congelada" - às Finanças foram feitos por "cerca de 42.000 inquilinos" e são esses que vão beneficiar do alargamento do prazo de transição, tendo em conta dados do Governo anterior [PSD/CDS-PP].

"Ao fim de cinco anos, uma parte destes [inquilinos] já não estará entre nós. Em 2022 seremos ainda menos numerosos. A partir daí seremos residuais", lembrou. 

A prorrogação do período transitório, recorda a Lusa, tem sido contestada pelos proprietários e promotores imobiliários, nomeadamente pela Associação Lisbonense de Proprietários, que considera a proposta "uma verdadeira expropriação selvagem" do património dos proprietários e "um regresso ao congelamento de rendas", com efeitos negativos no mercado de arrendamento.

"Só poderemos sorrir quando somos acusados de bloquear a dinamização do mercado de arrendamento, mas sorrimos muito menos quando verificamos que casas em absoluto estado de degradação tiveram aumentos de renda", declarou a representante dos inquilinos das Avenidas Novas.

No entanto, os inquilinos admitem que também existam "senhorios com dificuldades económicas", propondo que, nesses casos, o Governo utilize o regime de subsídios para suportar a diferença entre a renda atual e a que resultaria de uma renda calculada em função do valor do imóvel.

No âmbito da audição, a CIAV aproveitou ainda para contestar o atual regime do arrendamento urbano, por considerar que tem vários aspetos "fortemente lesivos dos direitos dos inquilinos com contratos anteriores a 1990".

Neste sentido, Magda Fonseca apresentou três reivindicações relativamente ao NRAU, nomeadamente a atribuição de "um subsídio de renda por morte de um dos cônjuges a todos os inquilinos com mais de 65 anos ou deficiência com grau de incapacidade superior a 60%", de forma a permitir que o sobrevivo possa continuar a suportar a renda, apesar da redução do rendimento que se verifica nessas situações.

"Esta reivindicação corresponde a situações reais que conhecemos de cônjuges sobrevivos em grandes dificuldades. Não nos mandem mudar de casa, por favor, não se faz isso a pessoas idosas", reforçou a responsável da CIAV.

Na proposta de Grandes Opções do Plano (GOP) para 2017, o Governo prevê "garantir a prorrogação do período de atualização das rendas, de modo a garantir o direito à habitação, em especial dos reformados, aposentados e maiores de 65 anos, sem prejuízo da regulamentação do subsídio de arrendamento para as situações não abrangidas".

Em causa está o NRAU, que entrou em vigor em 2012 e estabeleceu que as rendas anteriores a 1990 seriam atualizadas, permitindo aumentar as rendas mais antigas através de um processo de negociação entre senhorio e inquilino ou com base em 1/15 do valor patrimonial fiscal do imóvel.

A reforma do mercado do arrendamento determinou, ainda, a possibilidade de ser aplicado aos contratos antigos um período de transição de cinco anos para o novo regime, que irá terminar em 2017.

Ver comentários
Saber mais Inquilinos senhorios subsídios Estado rendas antigas
Mais lidas
Outras Notícias