Rendas Sem acordo sobre benefícios fiscais, PS pede adiamento das alterações às rendas

Sem acordo sobre benefícios fiscais, PS pede adiamento das alterações às rendas

Os socialistas solicitaram o adiamento da votação do pacote de propostas sobre habitação. Benefícios fiscais aos senhorios, tanto na proposta das rendas acessíveis, como para os contratos de longa duração, continuam a dividir os partidos à esquerda.
Sem acordo sobre benefícios fiscais, PS pede adiamento das alterações às rendas
Filomena Lança 11 de outubro de 2018 às 12:51

O grupo de trabalho para as questões de habitação, que funciona no âmbito da comissão parlamentar de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, tinha agendado para esta quinta-feira o início das votações indiciárias das várias propostas e projectos de lei que alteram a legislação em matéria de arrendamento e que têm vindo a ser discutidas na especialidade, mas os deputados socialistas avançaram com um pedido de adiamento. A votação deverá agora ser reagendada para a próxima semana, a partir de 16 de Outubro, apurou o Negócios.

 

PS, PCP e Bloco de Esquerda têm afirmado que querem acelerar a aprovação das novas regras, por forma a que as mesmas possam ainda ser contempladas em sede de Orçamento do Estado para o próximo ano, que vai chegar ao Parlamento na próxima segunda-feira, 15 de Outubro. Isso mesmo foi decidido no início da sessão legislativa, quando arrancou a discussão na especialidade, e o objectivo era que as votações indiciárias, realizadas ao nível do grupo de trabalho, pudessem ser confirmadas em Comissão e subir depois a plenário para a votação final global antes do debate e aprovação na generalidade do OE, agendados para 29 e 30 de Outubro.

 

Os deputados insistem em que tudo deve estar pronto antes do OE ser votado, mas as negociações à esquerda, entre o PS, o PCP e o Bloco desde o início que se revelaram difíceis. Se, por um lado, PS e Bloco têm interpretações diferentes sobre matérias como arrendamento acessível ou benefícios fiscais aos senhorios, do lado do PCP tem havido dificuldades ainda maiores, pois os comunistas entendem que o caminho dos benefícios fiscais não é o mais adequado. Ora, nomeadamente no caso do arrendamento acessível, sem os benefícios fiscais aos proprietários, o regime ficará praticamente esvaziado, reduzido apenas aos imóveis públicos.

PS faz apelo veemente

 

O PS fez hoje um veemente apelo para que exista consenso em torno dos diplomas do Governo sobre regulação e incentivos ao mercado de arrendamento, alegando que a situação é "aflitiva" e que se exigem respostas "urgentes".

 

Esta posição foi transmitida em conferência de imprensa, na Assembleia da República, em Lisboa, pelo vice-presidente da bancada socialista João Torres, citado pela Lusa. João Torres, ex-líder da JS, disse que o PS requereu o adiamento das votações que estavam previstas para hoje no âmbito do grupo de trabalho (parlamentar) da habitação urbana e políticas de cidades.

 

Ao longo da conferência de imprensa, João Torres disse que a primeira prioridade dos socialistas passou pelo diálogo com os seus parceiros de esquerda (BE, PCP e PEV).

 

No entanto, de acordo com o 'vice' do Grupo Parlamentar do PS, a bancada comunista manifestou-se contra um aspecto considerado central para aumentar a oferta no mercado de arrendamento: a concessão de benefícios fiscais aos proprietários, designadamente a isenção de taxa liberatória (de 28%) caso coloquem as suas casas para arrendar 20% por cento abaixo da mediana de preços praticada na zona em que se situa o imóvel.

 

"O Grupo Parlamentar do PS nunca enjeitou nenhum diálogo com forças políticas, dando evidentemente sempre preferência ao diálogo à esquerda no quadro parlamentar. A questão da habitação é aflitiva e, nesse sentido, estamos disponíveis, como sempre estivemos, para fazer o diálogo o mais alargado possível, por forma a que as mudanças a operar no mercado de arrendamento sejam sentidas com a maior brevidade possível no quotidiano das famílias portuguesas", justificou.

 

Num recado indirecto sobretudo dirigido ao PSD, João Torres afirmou que "se a situação implicar um diálogo com outras forças políticas, que não o PCP ou o Bloco de Esquerda, o PS está disponível para interagir com todos".

 

"É importante que cada grupo parlamentar assuma as suas responsabilidades. Cada grupo parlamentar tem de ter a consciência de que, se esta for uma oportunidade perdida [do ponto de vista político], o prejuízo será para os portugueses", completou.

 

Na quarta-feira, durante o debate quinzenal, no parlamento, o primeiro-ministro, António Costa, já tinha dramatizado as consequências sociais resultantes de uma ausência de maioria para aprovar na Assembleia da República os diplomas do Governo para aumentar a oferta no mercado de arrendamento.

 

Perante os jornalistas, João Torres defendeu que os três diplomas apresentados pelo Governo "merecem uma consideração acrescida".

 

"Pretende-se equilibrar a relação entre senhorios e inquilinos e impõe-se criar um conjunto de incentivos com benefícios fiscais para aumentar a oferta de imóveis no mercado de arrendamento", apontou o ex-líder da JS, considerando que estes passos são essenciais para a concretização de um programa de arrendamento acessível e para o estímulo de contratos de longa duração.

 

"Pedimos o adiamento das votações para a próxima semana para dar espaço a uma reflexão mais ponderada, tendo em vista uma convergência que responda aos problemas que as famílias estão a sentir", alegou João Torres, antes de se referir especificamente ao PCP.

 

"É conhecida a posição contrária do PCP em relação aos benefícios fiscais, que nós respeitamos. O entendimento do PS é que o problema no mercado da habitação, em particular no arrendamento, atingiu uma proporção tal que os benefícios fiscais são uma das formas efetivas de solução", contrapôs.

 
(actualiza com declarações do PS)




pub