Saúde Paulo Macedo diz que cortes para 2015 ainda estão por definir

Paulo Macedo diz que cortes para 2015 ainda estão por definir

Novos cortes no Estado serão conhecidos até ao final do mês de Abril, com a apresentação do Documento de Estratégia Orçamental (DEO). Ministro quer "diferenciação positiva" da Saúde.
Paulo Macedo diz que cortes para 2015 ainda estão por definir
Miguel Baltazar/Negócios
Marlene Carriço 26 de março de 2014 às 15:39

O ministro da Saúde ainda não sabe quanto lhe vai tocar no esforço de redução de despesa pública no próximo ano, mas, à semelhança do que aconteceu nos anos anteriores, voltou a defender uma diferenciação positiva do sector da saúde.

 

“Ainda não há quaisquer valores delimitados. A discussão foi apenas iniciada. Não há qualquer valor em qualquer sector apontado, nem em termos transversais”, respondeu o ministro Paulo Macedo, quando questionado sobre os cortes que o sector da saúde irá sofrer em 2015, no final da audição na Comissão Parlamentar de Saúde.

 

Sem números para revelar, o governante acrescentou apenas que “a saúde tem sido diferenciada positivamente e deve continuar a ser porque neste momento há uma unanimidade nacional sobre aquilo que é a importância de ter um Serviço Nacional de Saúde a funcionar”.

 

Os cortes na despesa pública de 2015, que permitirão atingir a meta de défice acordada com a troika para esse ano (de 2,5%) serão conhecidos no Documento de Estratégia Orçamental. O Fundo Monetário Internacional (FMI) quer aprovar esse documento até 18 de Abril. O valor que tem estado a circular é de 2.000 milhões de euros, embora recentemente Marques Mendes tenha falado num valor entre 1.500 e os 1.700 milhões de euros. O Governo ainda não se pronunciou sobre o valor.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI