Segurança Social Contar todo o tempo das carreiras especiais pode fazer pensões subir 220 milhões

Contar todo o tempo das carreiras especiais pode fazer pensões subir 220 milhões

A recuperação de todo o tempo de serviço de professores, forças militares das Forças Armadas e da GNR, magistrados e oficiais de justiça, pode fazer subir a despesa com pensões em 220 milhões de euros.
Contar todo o tempo das carreiras especiais pode fazer pensões subir 220 milhões
Negócios 07 de maio de 2019 às 09:07
A recuperação integral do tempo de serviço congelado das carreiras especiais pode fazer subir a despesa com pensões em 220 milhões de euros, segundo o Correio da Manhã.

O diário tem por base as contas do Ministério das Finanças, que estimam que essa contagem de todo o tempo de serviço a professores, militares das Forças Armadas e da GNR, magistrados e oficiais de justiça represente uma despesa de 800 milhões de euros por ano.

Recorde-se que o Governo já contava devolver a estes trabalhadores 70% do tempo necessário para a progressão, de forma faseada em três anos: junho de 2019, de 2020 e de 2021. A partir daí esse custo será de 240 milhões de euros. Por isso, o montante adicional é de 560 milhões de euros com todas estas carreiras.

Mas assumindo os 800 milhões de euros e que há 173 mil funcionários com carreiras especiais (dos quais 100 mil professores), o Correio da Manhã foi falar com um especialista da área das pensões para concluir que os encargos futuros com as pensões destes trabalhadores pode chegar aos 220 milhões de euros.  



pub

Marketing Automation certified by E-GOI