Automóvel Autoeuropa vale 75% da produção automóvel e 77% das exportações

Autoeuropa vale 75% da produção automóvel e 77% das exportações

A fábrica da Autoeuropa, em Palmela, foi responsável por três quartos da produção automóvel em Portugal no primeiro semestre e representou 76,8% das exportações de veículos do país, indicam os dados revelados esta quarta-feira pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP).
Autoeuropa vale 75% da produção automóvel e 77% das exportações
Volkswagen
Pedro Curvelo 11 de julho de 2018 às 19:17

A fábrica da Autoeuropa, em Palmela, foi responsável por três quartos da produção automóvel em Portugal no primeiro semestre e representou 76,8% das exportações de veículos do país, indicam os dados revelados esta quarta-feira pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

Entre Janeiro e Junho, a fábrica da Volkswagen produziu 115.715 viaturas, o que representa 75,1% dos 154.045 veículos produzidos em Portugal. No segmento de ligeiros de passageiros, a Autoeuropa fabricou 93% do total nacional.

A unidade de Palmela registou uma subida de 151,1% na produção face ao primeiro semestre do ano passado, impulsionada pelo novo modelo T-Roc.

A Peugeot Citroen fechou a primeira metade do ano com 33.023 viaturas produzidas, uma subida homóloga de 14,7%, graças ao segmento de comerciais ligeiros, onde registou um aumento da produção na ordem dos 23,1%.

A Mitsubishi Fuso Truck Europe produziu 4.155 unidades, uma quebra de 20,4% face a igual período em 2017. Esta descida é explicada em grande medida pelo início da produção do Eagle para o mercado dos EUA, sendo que a fábrica do Tramagal apenas fabrica o chassis e a cabine. Assim, estas unidades não são contabilizadas pela ACAP como viaturas produzidas, explicou recentemente ao Negócios o CEO da empresa, Jorge Rosa.

Quase 150 mil veículos exportados

As exportações de automóveis atingiram as 149.310 unidades no primeiro semestre, uma subida de 89,6%, sendo que 96,9% da produção automóvel destina-se aos mercados externos.

Os principais destinos são a Alemanha, que absorve 20,9% da produção, seguida da França (14,7%), Espanha (11,6%) e Itália (10,6%).

A ameaça das tarifas impostas pelos EUA à importação de automóveis da Europa não deverá ter um impacto significativo nas fábricas portuguesas, uma vez que as vendas para o continente americano representaram apenas 0,1% do total entre Janeiro e Junho.

Embora não de imediato, o risco de não haver acordo comercial com o Reino Unido após o Brexit poderá ter um efeito mais acentuado, uma vez que este mercado representa 9,4% das vendas ao exterior do sector automóvel português.




pub