Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Moody's vê quebra menor nas vendas automóveis mundiais mas recuperação mais lenta

O Moody's estima uma quebra de 19,1% nas vendas de veículos este ano, menos acentuada do que a anterior previsão. Mas antecipa que a recuperação do setor seja lenta.

Pedro Curvelo pedrocurvelo@negocios.pt 13 de Setembro de 2020 às 16:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O mais recente relatório do Moody's sobre o setor automóvel estima que as vendas mundiais de veículos caiam 19,1% este ano, para 73,02 milhões de unidades. É uma ligeira melhoria face à previsão avançada em maio, que apontava uma queda de 20,2%, para 72 milhões de veículos.

No relatório divulgado esta semana, o banco de investimento revê a perspectiva para o setor automóvel mundial de "negativa" para "estável". O Moody's considera que a procura mundial de automóveis já tocou o fundo e irá melhorar consideravelmente ao longo do próximo ano. 

A pandemia da covid-19, sublinha o documento, levou a uma quebra de 27% nas vendas no primeiro semestre. Mas, "antecipamos uma subida pronunciada em 2021".

Mas nem tudo "são rosas". O Moody's diz também que "a recuperação será demorada para os fabricantes automóveis". "Esperamos que os aumentos anuais abrandem até 2023 e que os níveis antes da tendência de quebra [iniciada em 2018/19], de cerca de 95 milhões de unidades, só sejam atingidos em meados da década", pode se ler no documento.

De acordo com o relatório, "uma recessão ao mesmo tempo que os fabricantes automóveis se encontram num processo custoso e complexo de reestruturação e modernização é mais um risco considerável para uma indústria já com margens diminutas".

"Uma quebra nas receitas é um fardo para empresas que estão a fazer avultados investimentos para reduzir emissões e transitar para modelos eletrificados, a consumar grandes alianças ou fusões e a tentar construir estruturas operacionais mais eficientes e rentáveis para solucionar o fraco desempenho anterior", prossegue o documento. Contudo, o Moody's considera que "a liquidez dos fabricantes automóveis é forte e deverá ser suficiente para suportar a pressão operacional".

Quebra pior do que na crise de 2009
O Moody's vê a atual quebra nas vendas como mais pronunciada do que a registada em 2009, na altura da crise financeira, e estima que a recuperação será mais lenta do que então.

"A queda devido ao coronavírus na indústria automóvel global é significativamente pior do que a de 2009. Antecipamos uma quebra de 19% este ano, para cerca de 73 milhões de veículos, antes de uma subida para os 80 milhões em 2021. Em comparação, entre 2007 e 2009, as vendas automóveis caíram uns muito menos severos 11% e, posteriormente, recuperaram para níveis recorde em 2010", detalha o relatório.

O Moody's indica ainda que antecipa que "a recuperação da pandemia e dos 'lockdowns' a ela associados será desigual, com a América do Norte e a Europa Ocidental a debaterem-se mais, enquanto a Coreia do Sul e a China terão recuperações mais rápidas".


EUA e Europa com quedas de 25% este ano
O relatório estima uma quebra de 24,8% nas vendas automóveis nos EUA, para 12,85 milhões de veículos. Na Europa Ocidental, as vendas deverão situar-se nos 12,2 milhões de viaturas, o que representaria um recuo de 25,1%.

Entre os mercados analisados, apenas a Índia deverá ter pior desempenho, com um decréscimo de 30%, para 2,47 milhões de automóveis vendidos este ano.

Em contrapartida, a China, o maior mercado mundial, deverá sofreu uma quebra de apenas 7%, fechando o ano com vendas na ordem dos 23,96 milhões de veículos. O Japão, por seu turno, com uma estimativa de 4,44 milhões de unidades, deverá ver as vendas encolherem 13,4%.

Mais surpreendente é a previsão para a Coreia do Sul. O Moody's antevê mesmo um aumento de 1,5% nas vendas deste ano, para 1,8 milhões de veículos.

Para o próximo ano, o Moody's traça um cenário em que as vendas mundiais crescem 9,3% para 79,78 milhões de unidades, o que é ligeiramente inferior à subida de 11,5%, para 80,28 milhões de veículos, estimada em maio.

O atual relatório prevê um crescimento de 10,9% nos EUA em 2021 e de 5,6% em 2022. Para a Europa Ocidental as subidas nas vendas são estimadas em 12,2% e 10,9% nos próximos dois anos.

No caso da China, a evolução prevista aponta para crescimentos de 5% e 4%, mas com o maior mercado mundial a superar em 2022 o número de veículos vendidos em 2019. 

O Japão deverá registar um incremento de 6,4% no próximo ano e de 4% no seguinte, enquanto para a Coreia do Sul, as estimativas são de uma quebra de 3% em 2021, seguindo-se uma subida de 1,5%.

O mercado indiano deverá registar os maiores crescimentos percentuais, 20% em 2021 e 13% em 2022, mas, tal como os EUA e Europa, continuará abaixo dos níveis de vendas de 2019 dentro de dois anos.
Ver comentários
Saber mais Europa Ocidental Coreia do Sul China EUA Japão automóvel vendas covid
Mais lidas
Outras Notícias