Automóvel Volkswagen: o luxo e as extravagâncias acabaram?

Volkswagen: o luxo e as extravagâncias acabaram?

Concertos, parques de diversões e até uma fábrica de salsichas. O império da Volkswagen estende-se para lá dos carros. Com o maior escândalo de sempre na sua história, alguns dos luxos podem ter de cair.
Volkswagen: o luxo e as extravagâncias acabaram?
Bloomberg
Wilson Ledo 17 de outubro de 2015 às 10:00

Wolfsburgo. Cidade ferroviária com cerca de 125 mil habitantes. A sede da fabricante automóvel Volkswagen. E o epicentro do escândalo de manipulação de emissões poluentes que afecta 11 milhões de carros em todo o mundo.

Depois da polémica ter estalado em Setembro, é tempo de fazer contas e cortar em tudo o que não seja "essencial". Por ano, os cortes no investimento vão ser de mil milhões de euros. Onde? É a verdadeira questão.

Ao longo dos anos, o grupo foi extravagante e nunca fez questão de escondê-lo. A cultura de gastos foi assumida sem medos. A cada lançamento de um novo modelo, uma festa luxuosa. Com artistas de renome como Pet Shop Boys, Robbie Williams, Justin Timberlake ou Lenny Kravitz.

Bares abertos, buffets a perder de vista, ecrãs gigantes, plataformas rottórias. Os cordões da bolsa da VW nunca se fecharam para fazer a diferença na hora de apresentar ou vender um carro. No fundo, transformou-se o acto de compra numa experiência memorável.

Quem compra tem de associar o carro a um "happening". No Frankfurt Motor Show deste ano, por exemplo, o pavilhão da Audi contava com um corredor feito de gelo.

Um parque de diversões a grande velocidade

Wolfsburgo é mais do que um mero centro produtivo. É um parque de diversões para compradores, com nome e tudo. Imaculado, à boa tradição alemã, o Autostadt conta com oito pavilhões e recebeu mais de dois milhões de visitantes em 2014.

Há lagos, jardins cuidadosamente arborizados e a possibilidade de diversão a cada metro. Sobretudo se isso for feito ao volante de um luxuoso Porsche ou Lamborghini, duas das 12 marcas que integram o grupo automóvel.

Na cidade alemã há ainda espaço para a cultura e para a gastronomia. A Volkswagen financiou um museu de ciências projectado pela reputada arquitecta iraniana Zaha Hadid. A lista dos apoios contempla ainda o hotel Ritz-Carlton, que a VW financiou parte da construção como parte integrante do próprio parque de diversões. Nele está também instalado um restaurante com três estrelas Michelin, o Aqua. Depois, há um conjunto pequenos negócios, como a restauração, que acabam por depender dessa dinâmica da VW.

A Volkswagen emprega 60% dos 125 mil habitantes da cidade. 

Encher salsichas será prioridade?

Talvez seja a maior idiossincrasia deste grupo automóvel. Ou pelo menos, o investimento mais inesperado tendo em conta a área de especialização. A Volkswagen opera uma fábrica de salsichas em Wolfsburgo. São 25 pessoas a trabalhar aqui. Por semana, são processadas mais de 10 toneladas de carne.

E a surpresa é ainda maior: a Volkswagen produz mais salsichas do que carros. Em 2014, foram 7,8 milhões de salsichas. Mais 1,7 milhões do que o número de carros que o grupo fabricou. O negócio está no bom caminho para seguir esta tendência, mostram as últimas perspectivas de crescimento.


Mas esta não é uma salsicha qualquer. Chama-se "currywurst" e resulta de uma combinação de carne de porco, especiarias e caril. É uma presença assídua em todos os lançamentos e grandes eventos da marca, integra os menus das fábricas e dos escritórios e até chega aos supermercados.

O apito final chegou ao futebol

É para já uma das únicas certezas quanto aos cortes. A Volkswagen decidiu suspender a construção de um centro de treinos para a academia do Wolsburgo. A fabricante é dona de 95% dos direitos do clube de futebol criado em 1945 e que integra a primeira liga alemã.

Se a princípio o director-geral do clube Klaus Aloofs se mostrava confiante quanto à manutenção dos investimentos no Wolsburgo, rapidamente teve de rever a sua posição. Agora, perante o passo atrás no centro de treinos, diz "compreender" a decisão porque "este não é o momento para investir. Para além do futebol, o Wolfsburgo tem outras modalidades como o badminton, o andebol e o atletismo.

Quando se esperam milhares de milhões de custos associados ao escândalo das emissões, nem só nas extravagâncias se verão os cortes. Apesar de não querer cortar em postos de trabalho, o CEO Matthias Müller já avisou os trabalhadores que este processo "não vai ser feito sem dor".

Resta saber se será feito sem música, salsichas ou partidas de futebol.




Notícias Relacionadas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI