Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ações do LLoyds sobem após recuperação nos resultados do terceiro trimestre

O presidente executivo (CEO) do Lloyds aponta um "impacto sem precedentes da pandemia do coronavírus na economia global, nas pessoas e nas empresas no Reino Unido", mas destaca que a "encorajadora recuperação económica"

Bloomberg
Negócios com Lusa 29 de Outubro de 2020 às 15:20
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
O lucro líquido do banco Lloyds recuou 64,4%, para 707 milhões de libras (782 milhões de euros), de janeiro a setembro face ao mesmo período de 2019, apesar da recuperação registada no terceiro trimestre, divulgou hoje a instituição.

Em comunicado enviado à Bolsa de Londres, o Lloyds Banking Group refere um regresso ao lucro no terceiro trimestre, com o resultado líquido a situar-se nos 688 milhões de libras (762 milhões de euros) entre julho e setembro, face ao prejuízo de 238 milhões de libras (-263,6 milhões de euros) no período homólogo.

As ações estão a reagir em alta aos números (sobem 3,54% para 28,63 pence), que foram superiores ao esperado pelos analistas. Os lucros recorrentes foram de 1,04 mil milhões de libras, quando os analistas estimavam 588 milhões.

Citado no comunicado, o presidente executivo (CEO) do Lloyds aponta um "impacto sem precedentes da pandemia do coronavírus na economia global, nas pessoas e nas empresas no Reino Unido", mas destaca que a "encorajadora recuperação económica" (nomeadamente no setor imobiliário), a par da redução "significativa" das imparidades, permitiu ao banco regressar ao lucro no terceiro trimestre.

Segundo o português António Horta Osório, o grupo está focado em trabalhar com o Governo e com os reguladores para assegurar o necessário apoio aos seus clientes nos atuais "momentos desafiantes", e nota que, como resultado da pandemia, é crescente o número de clientes a usar os serviços forma digital, assim como a proporção de produtos comercializados por essa via.

Até setembro, a receita líquida do Lloyds atingiu 10.811 milhões de libras (11.976 milhões de euros), menos 16,8% do que no período homólogo, e os empréstimos concedidos aos clientes somaram 439.000 milhões de libras (486.324 milhões de euros), enquanto os depósitos totalizaram 447.000 milhões de libras (495.186 milhões de euros).

No período, o rácio empréstimos-depósitos situou-se nos 98% e o rácio de capital CET 1 foi de 15,2%.

Segundo o Lloyds, as perspetivas são muito incertas, dada a segunda vaga da pandemia de covid-19, as medidas do Governo para conter a propagação da doença e as negociações ainda em curso sobre o 'brexit'.
Ver comentários
Saber mais Lloyds Banking Group
Outras Notícias