Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Apollo injecta 22 milhões na Açoreana após absorção de prejuízos

ASF, Ministério das Finanças, Banco de Portugal, Oitante, Apollo, Soil: ninguém revela quais os valores que envolveram a venda da Açoreana. A Tranquilidade, da Apollo, aumenta o capital da Açoreana mas ambas vão manter-se separadas.

Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 08 de Agosto de 2016 às 17:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

A Apollo, através da Tranquilidade, fez um aumento de capital de 22,7 milhões de euros na Açoreana. Este é, aliás, o valor actual do capital social da seguradora porque o comprador utilizou o capital anteriormente existente para absorver os prejuízos acumulados: 135,6 milhões de euros era o valor do capital social, usado para a limpar a empresa. A chamada operação harmónio (uma redução de capital seguida de um aumento) faz com que a seguradora que pertencia ao Banif e aos herdeiros de Horácio Roque siga, com o novo accionista, sem perdas herdadas e com capital.

 

"A grande prioridade passa por estabilizar a Açoreana através da injecção de capital para reforçar a sua solidez e retomar o desenvolvimento sustentável do seu negócio. Em função dos crescimentos verificados ao longo do tempo, os níveis de solvência serão sempre os adequados", assinala a Tranquilidade, que pertence ao fundo americano Apollo, ao Negócios. A seguradora tinha fechado 2015 com um capital próprio negativo de 6 milhões de euros.

 

Não é revelado, pela seguradora, o montante da injecção. E os 22,7 milhões não mostram todo o esforço feito pelo comprador, já que não se sabe qual o valor final do acordo de compra e venda. A Açoreana era detida em 52,31% pela Soil SGPS (que tinha dívidas a saldar perante a Caixa Geral de Depósitos e o Santander Totta) e em 47,69% pela Oitante (veículo que herdou os activos do Banif que o Totta não quis).

 

O valor do aumento de capital e da redução não foram revelados pelas empresas envolvidas: são os montantes disponíveis no portal de justiça, publicados na sexta-feira passada. Nenhuma das entidades e autoridades envolvidas quis responder às perguntas do Negócios sobre os números.

 

Um muro de silêncio

 

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões remeteu-se sempre ao silêncio, apesar de ter estado sempre a acompanhar o processo dada a situação deficitária com que a Açoreana ficou após a queda do Banif. O mesmo tinha já acontecido com a Tranquilidade quando foi adquirida, no arranque de 2015.

A Apollo/Tranquilidade não responderam a questões sobre os valores. "Não temos por hábito divulgar ou comentar detalhes de operações financeiras que envolvem ou envolveram outros accionistas. Além de mais, o contrato contém cláusulas de confidencialidade", indica a resposta dada ao Negócios pelo comprador.

 

O Ministério das Finanças, garante último da estabilidade financeira, também não deu resposta ao Negócios. O mesmo aconteceu com o Banco de Portugal, junto do qual funciona o Fundo de Resolução, accionista único do veículo Oitante, que tinha 48% da Açoreana. "Enquadra-se na prossecução do objectivo com que a Oitante foi criada de maximização do valor de venda dos seus activos", é como o veículo, liderado por Miguel Artiaga Barbosa (que foi o representante do Estado no Banif), comentou, em comunicado, a operação de venda. Instada a fazer mais comentários sobre a operação, nomeadamente aos valores da operação, a Oitante não quis comentar. Não foi possível também obter resposta da Soil SGS.

 

Empresas separadas

 

Nesse mesmo comunicado, a Oitante afirmou que a alienação da sua participação, em conjunto com a da accionista maioritária, "visa permitir a capitalização da Açoreana em linha com os requisitos prudenciais aplicáveis, bem como a criação de condições para a sustentabilidade desta entidade e, consequentemente, a preservação de postos de trabalho". A Açoreana terminou o ano passado com 665 trabalhadores.  

 

Já a Tranquilidade defende que as duas empresas têm "estratégias e objectivos específicos" mas que "passam a ter um forte accionista comum", a Apollo. "As marcas das empresas seguradoras são um valor importante que importa salvaguardar e gerir", assinala a companhia. Juntas, sobem ao número dois do ramo não vida, segundo tinha dito já na sexta-feira passada a compradora. 

 

Neste momento, e depois de uma autorização antecipada do regulador dos seguros liderado por José Almaça (na foto), Jan Adriaan de Pooter, que é o líder da Tranquilidade, fica como presidente da administração da Açoreana. 

Ver comentários
Saber mais Ministério das Finanças Banco de Portugal Banif Horácio Roque Soil SGPS Caixa Geral de Depósitos Santander Totta José Almaça
Mais lidas
Outras Notícias