Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Associação Mutualista rejeita mudar nome do Montepio

A Associação Mutualista rejeita que a Caixa Económica perca a marca Montepio Geral, ao contrário do que foi admitido pelo presidente executivo do banco, e é requerido pelo Banco de Portugal.

Bruno Simão
André Veríssimo averissimo@negocios.pt 28 de Março de 2017 às 00:05
  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...

A mudança de nome "é algo que não está em cima da mesa. E se algum dia vier a estar, tratando-se de um assunto de natureza estratégica, teria de ser aprovado em assembleia-geral (AG)", afirma fonte da Associação Mutualista ao Negócios. Ou seja, tendo o assunto de ir à AG,  a alteração do nome tem sempre de ter a aprovação da entidade liderada por Tomás Correia.

 

Uma posição que contraria o que foi expresso pelo Governador do Banco de Portugal numa entrevista ao Público, publicada a 9 de Março. Questionado sobre a venda de produtos da Associação Mutualista aos balcões da Caixa, Carlos Costa responde: "no sentido de separar as entidades, nós  requeremos a separação de marcas".

 

O presidente executivo da Caixa Económica também admite essa mudança na entrevista ao Negócios, publicada a 15 de Março. "É um tema que tem de ser estudado porque a marca Montepio tem grande valor de mercado. (...) Parece mais provável que a adaptação seja feita ao nível da caixa económica".

 

O entendimento da Associação Mutualista é de que basta a mudança da Caixa Económica para sociedade anónima, conforme consta do plano de reforço do capital acordado com o Banco de Portugal. O que fonte da associação garante que acontecerá até ao final de Maio, faltando apenas a aprovação em assembleia-geral convocada para o efeito.

A Associação Mutualista lembra que a venda de produtos da associação está separada dos produtos do banco dentro dos balcões do Montepio, com gestores diferenciados. A mesma fonte diz que vê "com bons olhos que a vertente financeira da Associação Mutualista seja supervisionada pela Autoridade de Supervisão dos Seguros e Fundos de Pensões", mas defende que a tutela deve manter-se no Ministério da Segurança Social.

Questionada sobre se o Ministério desenvolveu alguma actividade de inspecção extraordinária nas últimas semanas, a mesma fonte garante que "não houve nem mais, nem menos" acções de supervisão, "seguiu o reporte normal". O primeiro ministro afirmou recentemente que o Governo "está a adoptar as medidas que são necessárias tomar para assegurar a estabilidade quer da associação, quer do banco Montepio".
Ver comentários
Saber mais Governador do Banco de Portugal Carlos Costa Associação Mutualista Montepio
Mais lidas
Outras Notícias