A carregar o vídeo ...
Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Banca europeia já perdeu quase tudo o que ganhou desde que Draghi prometeu salvar o euro

Quedas expressivas voltaram a ser sentidas nas bolsas esta quinta-feira. A banca esteve em destaque, com os resultados negativos a justificarem parte do receio. A incerteza geral nas bolsas penalizou o sector.

Reuters
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 11 de Fevereiro de 2016 às 18:28
  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...

Lembra-se de Mario Draghi ter dito que "o Banco Central Europeu vai fazer o que for necessário para preservar a Zona Euro"? Lembra-se de as acções terem subido nos dias seguintes e de nunca terem caído desses valores? Pois bem, a recente desvalorização das acções já colocou a banca europeia próxima das cotações registadas antes dessa declaração.

 

O índice Stoxx para a banca europeia, que reúne as principais cotadas do sector financeiro, afundou mais de 6% esta quarta-feira. Encontra-se nos 130,48 pontos. Não era registada esta pontuação desde o início de Agosto de 2012. Mario Draghi falou na conferência em Londres a 26 de Julho desse ano.

Num contexto de instabilidade da economia global, com receios de crescimento mais brando do que o esperado (numa economia que nunca recuperou verdadeiramente desde a crise iniciada em 2007), os problemas dos bancos tornaram-se visíveis. E arrastaram-se para todo o sector. Foi, aliás, o sector que mais recuou numa Europa em que as taxas de juro associadas às dívidas soberanas dispararam. "É emoção humana", comenta na Bloomberg o vice-presidente do departamento de acções da casa de investimento Robert W. Baird, explicando que há um "sentimento negativo" no mercado ao qual se juntam preocupações específicas de cada banco.

 

O Deutsche Bank marcou o pontapé de saída para que o mercado tenha afundado esta semana. Circularam rumores de que o banco alemão não seria capaz de pagar as obrigações convertíveis (CoCos) que emitiu há anos. A resposta do banco seria a de recomprar dívida para mostrar a sua solidez. Wolfgang Schaüble, ministro das Finanças, veio assegurar também a resistência da instituição financeira. Mas as acções voltaram a cair hoje, mesmo depois da recuperação de ontem. A queda, que chegou a ser de 10%, acabou a ser de 6,14% para 13,685 euros. Em torno dos valores mais baixos de sempre.

 

Os resultados abaixo do esperado de outras instituições financeiras ajudaram ao cenário, para o qual contribui a ideia de que o abrandamento da economia mundial – com a China à cabeça – vai cortar ainda mais um sector já muito castigado. "A pressão sobre a margem está a tornar-se uma grande preocupação para o sector e os resultados de grandes bancos está a fazer pouco para revigorar a confiança dos investidores", comenta Jawaid Afsar, operador da Securequity, à Reuters.

O Société Générale afundou 12,57% - uma reacção directa aos resultados de 2015 abaixo do esperado e aos custos colocados de lado para possíveis encargos judiciais. 

 

O Financial Times alerta ainda para um problema adicional: as novas regras de intervenção na banca que, a partir de 1 de Janeiro de 2016, passaram a prever a implicação de perdas aos detentores de dívida sénior e aos depositantes com mais de 100 mil euros.  

 

O Reino Unido também tem um índice para os seus bancos, que recuou 5% e caiu para os níveis mais baixos dos últimos sete anos. A banca italiana afundou. Em Itália, há ainda a acrescentar o problema do crédito malparado, que deu um novo passo com a concessão de garantias estatais ao esquema de "cobertura" criada para resolvê-lo. Em Espanha, Bankia, BBVA e Santander cederam em torno de 7%.

 

Em Portugal, a banca não escapou ao comportamento negativo, tal como as acções dos outros sectores. O BCP perdeu 4,01% para 3,35 cêntimos. O BPI perdeu 5,65% para 0,935 euros. Sob o país, está ainda em cima a incerteza em relação ao Orçamento do Estado para 2016, com o Eurogrupo, que reúne os ministros das Finanças da Zona Euro, a lançar críticas ao documento feito pelo Governo de António Costa. Aliás, foi o próprio primeiro-ministro a admitir que quando houver uma conclusão do Eurogrupo, os mercados em Portugal poderão ficar mais tranquilos. 

Ver comentários
Saber mais Mario Draghi Banco Central Europeu Zona Euro Deutsche Bank CoCos China Wolfgang Schaüble
Outras Notícias