Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Banca pode perder 6,6 mil milhões com dívida soberana

Goldman Sachs não acredita em "haircuts" na dívida soberana dos periféricos, mas alerta para exposição do sector financeiro português. A CGD pode ser o banco nacional mais castigado.

Paulo Moutinho 14 de Dezembro de 2010 às 00:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...
"Não prevemos que haja restruturação da dívida emitida pelos países periféricos da Zona Euro", diz o Goldman Sachs. Mesmo tendo esta perspectiva optimista, o banco norte-americano não deixa de apresentar cenários considerando a possibilidade de haver perdas com estes títulos para o sector financeiro. No limite, os bancos nacionais arriscam-se a registar imparidades superiores a 6 mil milhões de euros.

A projecção do Goldman Sachs para as perdas conjuntas do BCP, BES, BPI e Caixa Geral de Depósitos (CGD) é de 6,6 mil milhões, isto no "cenário extremo" em que Portugal, Irlanda e Grécia (os três países considerados pelo banco de investimento), deixariam de cumprir com 60% das suas obrigações para com o pagamento da dívida.

No mínimo, a restruturação da dívida destes três países teria um custo de 2 mil milhões, refere o banco de investimento, numa nota de "research" a que o Negócios teve acesso. O estudo coloca a CGD no topo do "ranking" dos bancos nacionais com maiores perdas potenciais. Ascendem a 2,9 mil milhões, num "cenário extremo".











logo_empresas

Ver comentários
Saber mais Goldman Sachs sector financeiro português CGD BCP BES BPI
Mais lidas
Outras Notícias