Banca & Finanças Banif quer superar capitalização bolsista privada de 1.000 milhões em um ano

Banif quer superar capitalização bolsista privada de 1.000 milhões em um ano

O Banif quer que o valor das acções do banco, que são detidas por accionistas privados, superem os mil milhões de euros. Para tal conta comprar 250 milhões de euros em acções que estão hoje na posse do Estado.
Banif quer superar capitalização bolsista privada de 1.000 milhões em um ano
Miguel Baltazar/Negócios
Maria João Gago 02 de junho de 2014 às 17:56

Jorge Tomé, presidente executivo do Banif, disse esta segunda-feira que o banco ambiciona atingir uma capitalização bolsista privada superior a mil milhões de euros, mais do que duplicando o valor actual, que é inferior a 500 milhões de euros.

 

Este objectivo tem o prazo de um ano e, para que seja concretizado, o banco tem como objectivo a compra de 250 milhões de euros em acções detidas actualmente pelo Estado, por parte de investidores privados. "É um objectivo aspiracional que gostariamos de cumprir no prazo de uma ano", disse Jorge Tomé esta segunda-feira, 2 de Junho

 

O Banif apresenta uma capitalização bolsista de 543 milhões de euros, após o aumento de capital concluído na sexta-feira, 30 de Maio, que elevou o número de acções admitidas à cotação a 45,6 mil milhões de títulos, e considerando a cotação de fecho desta segunda-feira.

 

Além destas acções, o Estado detém 70 mil milhões de títulos, que não estão cotados e que, após a operação agora concluída, representam 60,57% do capital e 49% dos direitos de voto. 

 

Jorge Tomé revelou esta segunda-feira que o "objectivo do banco é aumentar a capitalização bolsista para mil milhões de euros no curto prazo". "Já ultrapassamos os 500 mil euros e queremos ultrapassar os mil milhões."  

 

"Para alcançar este obejctivo", prosseguiu o CEO do banco, "é necessário capturar as acções que hoje pertecem ao Estado. O apoio do Estado foi importante mas tem um prazo. É um investimento datado. Tem que ser devolvido com o devido rendimento". 

 

Jorge Tomé recordou que o banco já reembolsou 275 milhões de euros de CoCos e que vai antecipar o pagamento de mais 125 milhões. "Faltam os 700 milhões que o Estado injectou em acções. Se quermos ultrapassar mil milhões de euros de capitalização bolsista temos que capturar uma boa parte destes 700 milhões de euros. Isto implica uma estratégia muito determinada e muito focada", disse o líder do Banif.

 

Em Janeiro de 2013, o grupo recebeu 1.100 milhões de fundos públicos, dos quais 700 milhões em capital e 400 milhões em instrumentos de capital contingente ("CoCos"). Da tranche relativa a "CoCos", o banco já reembolsou 275 milhões, estando obrigado a liquidar os restantes 125 milhões no final de 2014.

 

(Notícia actualizada às 18h24 com declarações de Jorge Tomé)




Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI